Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



1º de Fevereiro

por Nuno Castelo-Branco, em 01.02.19

 

7826_1065498920023_1302524520_30188997_5640247_n cO acto fundador da República consistiu em dois crimes de sangue impunemente perpetrados contra as pessoas dos mais altos representantes do Estado português.

Muito antes do fatal desenlace que mergulharia Portugal no caos, numa escusada série de violências de que a Grande Guerra fora de fronteiras é apenas um entre os inúmeros exemplos internos, abusos de poder e prepotência  que teve como cúmulo a total e reconhecida inépcia no exercício do governo deste país, os republicanos souberam aproveitar o regime de liberdades públicas existentes na nossa terra, liberdades essas garantidas pela Carta Constitucional e pela instituição que superiormente representava o Estado: a Coroa.

Se numa fase inicial desta República brutalmente implantada, os seus responsáveis prodigamente se vangloriaram do Regicídio através de romagens ao Alto de São João ou piedosas pagelas santificando os assassinos, inadvertidamente também deram a conhecer ao mundo quem afinal eram os novos senhores do poder em Portugal. Os desastres que os acontecimentos de 1908 e 1910 despoletaram na nossa sociedade, foram por si suficientes para uma decidida e bastante oficial política de forçado esquecimento do acto primordial da fundação do regime de 5 de Outubro de 1910. O Regicídio foi deliberadamente apagado da memória, o seu Processo Legal lógica e escandalosamente desapareceu, mercê da intervenção dos detentores do poder ilegitimamente tomado pela força dos tiros da artilharia, assassinatos indiscriminados, repressão sindical e da imprensa. Durante quatro gerações, os donos das três Repúblicas nas quais voluntariamente se incluiam alegados monárquicos de oportunidade, ingloriamente tentaram apontar outros responsáveis por um acto do qual eles e apenas eles foram os beneficiários morais e materiais.

Com o assassinato do Rei D. Carlos I e do Príncipe D. Luís Filipe, os republicanos desferiram o golpe que despojaria Portugal da sua normal evolução para uma sociedade ainda mais livre e progressiva. Apesar dos rotineiros contratempos políticos propiciados por um regime fortemente parlamentar já bem enraizado, este país beneficiou de décadas de progresso material e intelectual. Durante a Monarquia Constitucional, Portugal integrou-se plenamente naquilo a que à época era a Europa do liberalismo oitocentista em todos os seus aspectos, fossem eles positivos ou não. Os avanços materiais foram evidentes e sem paralelo na nossa história, o país modernizou as suas infraestruturas e integrou-se no comércio mundial. O período monárquico constitucional foi um alfobre de grandes nomes da nossa cultura e também garantiu a nossa futura presença em todo o mundo, activamente  e através de um enorme esforço participando Portugal na delimitação de esferas de influência que muitas décadas mais tarde dariam origem à Comunidade de Países de Língua Portuguesa.

O Rei D. Carlos I foi um dos maiores entre os grandes da nossa História. Culto e aberto àquilo que a seu tempo eram as novidades da ciência e das artes, mereceu o respeito politico e pessoal dos seus contemporâneos estrangeiros, enquanto em Portugal enfrentava só e indefeso as contingências impostas pelo próprio regime de liberdades que não o soube proteger de afrontas, esmagadoras calúnias e na fase final do seu reinado, da conspiração subversiva que não apenas fez  violentamente tombar o trono, como também de forma irremediavel ditaria o catastrófico século XX que o povo português resignadamente sofreu.

Quiseram os assassinos abater o monarca que por sinal era um homem bom e generoso. Procurando eliminar toda a Família Real, julgavam poder obliterar oito séculos de uma história ininterrupta. Não o conseguiram e cento e onze anos decorridos após o crime que de forma indelével enodoa o regime a que ainda hoje todos nos submetemos, já se adivinha o total alijar da canga imposta pelo silêncio que viu na ignorância das gentes, a suprema garantia de um poder prepotente e sem peias.

O ajuste de contas chegará, já não existe qualquer dúvida. Não virá de um outro acto violento que imponha a vontade de uma minoria, pois esse acerto de contas com a História já começou. D. Carlos I e os seus encontram-se hoje perfeitamente reabilitados. O estudo que propicia o conhecimento da verdade já não conhece obstáculos e são precisamente os mais jovens que se interessam, quem decidida e porfiadamente tem quebrado as grilhetas do preconceito, da mentira e da despudorada prepotência que tem humilhado e menorizado Portugal.
Uma vez mais, o Regicídio não foi esquecido. Tenham paciência, mas jamais o será.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:23

108 Anos

por João Almeida Amaral, em 01.02.16

Luto.jpg

 

 

 

 

Faz hoje 108 anos que através de um duplo homicídio as forças republicanas impuseram o seu caminho a todo um povo. 

Celebra-se a implantação da República com um feriado Nacional, mas esse golpe de Estado, tem por base um Regicídio. Provavelmente à luz dos republicanos seria legítimo matar o Presidente da República, hoje, para reimplantar a Monarquia. 

Entendo que este tema, não fosse discutido durante o Estado Novo, entendo também que para os revolucionários de esquerda, este tema não fosse discutível, mas chegou a altura, da sociedade civil ,discutir com honestidade ,este golpe de Estado nunca referendado.  

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:26

Nunca esqueceremos

por Pedro Quartin Graça, em 01.02.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:35

Lisboa em Dallas

por Nuno Castelo-Branco, em 22.11.13

 

Isto diz muito acerca de quem hoje somos. É o dia da esperada cacofonia acerca do assassinato de Kennedy. Nos jornais, nas estações de televisão e nas redes sociais, não se fala noutra coisa senão no impossível deslindar da responsabilidade do crime. Tal não seria de estranhar, se em Portugal não persistisse a deliberada ocultação de um crime que há 105 anos para sempre mudou a história do nosso país, destruindo o regime constitucional e abrindo o caminho à subversão como forma de exercício do poder do Estado.

 

Existiram meia dúzia de cópias do Processo do Regicídio, tendo uma delas ido parar às boas mãos do Sr. Afonso Costa. Compreensivelmente, deu-se-lhe o esperado sumiço. Outra, provavelmente desaparecida aquando do estranho assalto à residência de Sua Majestade o Rei  D. Manuel II, para sempre terá deixado de poder ser consultada. É possível ainda existir qualquer um dos remanescentes exemplares, seguramente guardado a sete chaves por quem julgue ter o dever  de ocultar as responsabilidades criminais e políticas de conhecidos nomes que decoram ruas e praças deste país. 

 

Como quer o sistema ser levado a sério, se passados três regimes desde a subversiva, violenta, ilegal e desastrosa destruição da Monarquia Constitucional, um Processo que já é parte da história - estando mortos todos os envolvidos no crime -, continua sem ser concluído? 

A menos que algo exista que possa fazer perigar a segurança desta república, ou por isso mesmo, já é tempo de sabermos a verdade dos factos.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:50

Buíça para aqui, Buíça para ali.

por Nuno Castelo-Branco, em 16.04.13

 

Na RTP informação - programa Termómetro Político -, uma loura mental que dá pelo nome de Graça Franco, teceu algumas aflitas considerações acerca da disparatada tirada soarista. A respeito de D. Carlos I,a contratada debitou todas as "narrativas" da bem conhecida propaganda da ignorância. Sem sequer se ter dado ao trabalho de rapidamente verificar na Wikipédia quem foi D. Carlos I - sugerir-lhe a leitura de uma biografia séria como aquela escrita por Rui Ramos, seria demais para a tonta cabecinha - , quem era este homem de ciência, o artista e muito mais importante, o estadista, a fulana preencheu o seu tempo com as inanidades que se esperam nestes painéis a soldo. Uma vergonha, principalmente quando tudo isto é pago com dinheiros públicos. A criatura devia entender que a provecta idade do ex-residente em Belém não pode servir de desculpa, pois temos todos a certeza da seriedade das sugestões que tem assoprado. Os outros comentadores estavam visivelmente incomodados com o claro apelo ao sangue que Mário Soares sonoramente fez ouvir no país inteiro, tentando desculpá-lo através de evasivas muito mal conseguidas.

 

O problema reside no oportuno esquecimento que esta gente cultiva como nabos sob chuva fininha e persistente. Temem pelos seus salários ao fim do mês, comprende-se o dilema.

 

A verdade é que Mário Soares tem sistematicamente recorrido ao apelo à violência e em muitas entrevistas chama nomes impublicáveis às autoridades do Estado. Ainda há meses, nas cerimónias comemorativas da grotesca república que nos esmaga, trai, mente e rouba há demasiado tempo, fez precisamente o mesmo numa daquelas tiradas em que a violência verbal se torna norma. Parece  a todo o custo querer sangue. Nada mais, nada menos. É indecente, esta monomaníaca insistência. A família bem podia beneficamente influenciar o homem. O Dr. João Soares, moderado e sensato como é, poderá ser capaz de tentar evitar estes desagradáveis incidentes?

 

Mário Soares lamentavelmente pode citar o Afonso Costa ou o Junqueiro e até regozijar-se com o assassinato de D. Carlos I, um dos seus antecessores na Chefia do Estado. Fica-lhe muito mal. A verdade que devia ser-lhe colocada, considerando a sua filiação republicana, é o absurdo que o situa na mesma fileira do Buíça. Apela ao crime ? Pois então recorde-se da forma como terminou o dito Buíça: em farrapos, pontapeado e cheio de lama, ali mesmo atirado como lixo para o lajedo da Câmara Municipal de Lisboa. Quantos daqueles que rejubilaram com o Regicídio - Machado Santos, António Granjo, Ribeira Brava, entre outros - cairiam da mesma forma e precisamente às mãos dos seus correligionários?

 

Portugal foi pioneiro na abolição da Pena de Morte. Foi a Monarquia quem para sempre a liquidou. Convém lembrar estes pequenos e importantes detalhes. Nestas situações de profunda crise, por vezes acontecem imprevistos e os tiros saem pela culatra. Aqui ficam as fotos. São um alerta, até porque a paciência tem os seus limites.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:56

Acusada!

por Nuno Castelo-Branco, em 01.02.13

 

A república é acusada de assassínio do Chefe do Estado, de terrorismo bombista, de total desrespeito e subversão da ordem constitucional. É acusada da clamorosa derrota militar na I Guerra Mundial. É acusada da fuga de centenas de milhar de portugueses temerosos da violência, prepotência e inépcia da gente do regime do Costa. É acusada do ataque ao corpo eleitoral nacional, é acusada de coacção física e moral sobre a população, é acusada de falsificação de eleições, da repressão dos sindicatos, da imprensa e da Igreja. É acusada da ruína económica e financeira. É acusada da mais longa ditadura da nossa história, da polícia política, da censura. É acusada da vergonhosa, criminosa e pretensa descolonização, é acusada de causadora do genocídio de populações em África e em Timor. É acusada do abandono de milhares de soldados portugueses em três dos antigos territorios ultramarinos, é acusada das ruinosas cedências feitas para o seu apressado ingresso político na CEE. É acusada do desbaratar dos recursos da economia portuguesa. É acusada de ceder perante a organização de uma infrene cleptocracia institucional que esbulha o país em proveito de uma ínfima minoria de sátrapas. É acusada de fazer desaparecer o que nos resta da independência nacional conseguida através dos sacrifícios de mais de trinta gerações. 

 

Este regime não é legítimo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:00

No 1º de Fevereiro, a verdade factual da História

por Nuno Castelo-Branco, em 01.02.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

                                                 « No meio de uma nação decadente, mas rica de tradições, o mister de recordar o passado é uma espécie de                                                    magistratura moral, uma espécie de sacerdócio; e os que podem e sabem devem exercê-lo, porque, não o fazer é um crime ». Alexandre Herculano

" Porque D. Carlos serviu o País, usando o complexo distinto de qualidades com que era dotado sempre ao serviço da Nação, preciso é se inclua o seu nome na galeria dos mais excelsos servidores da Pátria ( ... ) " Casimiro Gomes da Silva, « D. Carlos I »

Depois de ler as cartas d'El-Rei a João Franco, por este publicadas em 1923, foi este o desabafo do republicano João Chagas: " Aliviam a memória de D. Carlos de um grande peso ". Porque da sua leitura ficava a todos muito evidente o patriotismo do Rei, o quanto ele se esforçou por resgatar PortugaL: 
                              « Meu querido João Franco
                     ...Ha muito a fazer, e temos, para bem do Paiz, que seguir por caminho differente d'aquelle trilhado até hoje; para isso conto comtigo e com a tua lealdade e dedicação, como tu podes contar com o meu auxilio e com toda a força que te devo dar. ( ....................... )
Vamos por certo ter uma campanha sobretudo contra nós dois, mas para isso é que cá estamos. ( ... ) Deixemos, pois, fallar quem falla, e continuemos, serenamente, com calma, mas com firmeza, a nossa obra. ( ... ) Desde que tenhamos a razão do nosso lado, devemos ir até aonde o nosso dever o indicar, dando garantias de bem servir o Paiz. Devemos prosseguir o nosso caminho, dôa a quem doer, e sempre me terás a teu lado, por maiores que sejam os sacrificios que eu tenha que fazer. Devo-os ao meu Paiz.
   Um abraço do teu amigo verdadeiro
                                        Carlos R.       »


Este é que é o verdadeiro « Sentido de Estado », que, hoje, como ontem, se arrasta pelas ruas da amargura.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:32

Recordar o regicídio

por João Pinto Bastos, em 01.02.13

Há datas que, pelo simbolismo sombrio que carregam, deveriam ser recordadas a miúdo. O Regicídio, exemplo maior da sanha virulenta dos meios políticos republicanos, é uma data que, pelo seu significado político, pertence logicamente a essa triste categoria de datas. Hoje, passados 105 anos de violências, saques, amiguismos, ignorâncias várias e deseducações múltiplas, o resultado desse crime sanguinolento está à vista: somos pastoreados por uma República que não dá esperança a ninguém. Uma República que foi vilmente assaltada pela iniquidade de meia dúzia de bonzos que dedicaram e dedicam as suas tristes existências a roubar o futuro das gentes portuguesas. A arraia-miúda não entra nas contabilidades do saque desta gente. As gentes foram relegadas para o canto da história das melopeias dos donos do regime. Recordar este episódio, seminal e espoletador do ocaso terminal de um regime que, com mais ou menos esforço, produziu, no seu estertor, alguma civilidade de trato, é uma obrigação que cabe a todos aqueles que não se revêem na patranha em curso. Mais que uma celebração exclusivamente solenizada pelos monárquicos, a rememoração do Regicídio é uma oportunidade única, para toda a cidadania, de trazer à liça os crimes dos fundadores da pastorícia republicana. Porque mais do que D. Carlos - um Rei inteligente, culto e austero, sim, porque naquele tempo, o Rei, o princeps, era o primeiro a dar o exemplo - ou D. Filipe, o que ocorreu, para gáudio dos medíocres de então, foi o rasurar de uma memória secular, responsável pela "lusitana antiga liberdade" tão celebrada por Camões. Importa lembrar e acordar as consciências do seu torpor, porque a comunidade, a comunidade de partida e destino dos livres iguais, só sobrevive com memória. Com a memória dos passados que construíram e deram vida ao nosso ser colectivo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:48

O Regicídio não foi esquecido. Jamais o será!

por Nuno Castelo-Branco, em 01.02.13

O acto fundador da República consistiu em dois crimes de sangue impunemente perpetrados contra as pessoas dos mais altos representantes do Estado português.

Muito antes do fatal desenlace que mergulharia Portugal no caos, numa escusada série de violências, abusos e na total e reconhecida inépcia no exercício do governo deste país, os republicanos souberam aproveitar o regime de liberdades públicas existentes na nossa terra, liberdades essas garantidas pela Carta Constitucional e pela instituição que  superiormente representava o Estado: a Coroa

Se numa fase inicial desta República brutalmente implantada, os seus responsáveis prodigamente se vangloriaram do Regicídio, inadvertidamente também deram a conhecer ao mundo quem afinal eram os novos senhores do poder em Portugal. Os desastres que os acontecimentos de 1908 e 1910  despoletaram na nossa sociedade, foram por si suficientes para uma decidida e bastante oficial política de forçado esquecimento do acto primordial da fundação do regime de 5 de Outubro de 1910. O Regicídio foi deliberadamente apagado da memória, o seu Processo Legal escandalosamente desapareceu, mercê da intervenção dos detentores do poder ilegitimamente tomado pela força dos tiros da artilharia, assassinatos indiscriminados, repressão sindical e da imprensa. Durante quatro gerações, os donos das três Repúblicas ingloriamente tentaram apontar outros responsáveis por um acto do qual eles e apenas eles foram os beneficiários morais e materiais.

 

Com o assassinato do Rei D. Carlos e do Príncipe D. Luís Filipe, os republicanos  desferiram o penúltimo golpe que despojaria Portugal da sua normal evolução para uma sociedade ainda mais livre e progressiva. Apesar dos rotineiros contratempos políticos propiciados por um regime fortemente parlamentar já bem enraizado, o nosso país beneficiou de décadas de progresso material e intelectual. Durante a Monarquia Constitucional, Portugal integrou-se plenamente naquilo a que à época era a Europa do liberalismo oitocentista. Os avanços materiais foram evidentes e sem paralelo na nossa história, o país modernizou as suas infra-estruturas e integrou-se no comércio  mundial.  O período monárquico constitucional foi um alfobre de grandes nomes da nossa cultura e também garantiu a nossa futura presença em todo o mundo, participando Portugal na delimitação de esferas de influência que muitas décadas mais tarde dariam origem à Comunidade de Países de Língua Portuguesa.

 

O Rei D. Carlos foi um dos maiores entre os grandes da nossa História. Culto e aberto àquilo que a seu tempo eram as novidades da ciência e das artes, mereceu o respeito politico e pessoal dos seus contemporâneos estrangeiros, enquanto em Portugal enfrentava só e indefeso, as contingências impostas pelo próprio regime de liberdades que não o soube proteger de afrontas, esmagadoras calúnias  e na fase final do seu reinado, da conspiração subversiva que não apenas fez ilegalmente tombar o trono, como também irremediavelmente ditaria o catastrófico século XX que o povo português  resignadamente sofreu.

Quiseram os assassinos abater o monarca que por sinal, era um homem bom e generoso. Procurando eliminar toda a Família Real, julgavam poder obliterar oito séculos de uma história ininterrupta. Não o conseguiram e cento e cinco anos decorridos após o crime que de forma indelével enodoa o regime a que ainda hoje todos nos submetemos,  já se adivinha o total alijar da canga imposta pelo silêncio que viu na ignorância das gentes, a suprema garantia de um poder prepotente e sem peias.

O ajuste de contas chegará, já não existe qualquer dúvida. Não virá de um outro acto violento que imponha a vontade de uma minoria, pois esse acerto de contas com a História já começou. D. Carlos e os seus encontram-se hoje perfeitamente reabilitados. O estudo que propicia o conhecimento da verdade já não conhece obstáculos e são precisamente os mais jovens quem decidida e porfiadamente tem quebrado as grilhetas do preconceito, da mentira e da despudorada prepotência que tem humilhado e menorizado Portugal.

Uma vez mais, o Regicídio não foi esquecido. Jamais o será.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

O Rei fora assassinado, e com ele o Príncipe Real, pelos carbonários Alfredo da Costa e Manuel Buiça.
Havia que não ceder a esta manobra que visava acabar com a monarquia, e o mínimo devido à memória do « Martyrisado » era continuar a obra que, com apoio do seu presidente de governo, encetara, tendo em vista a recuperação de uma Nação, que todos os dias se esvaía um pouco mais, a caminho do inevitável abismo, que hoje revivemos; mas não: a traição dos " monárquicos " de então ainda não batera no fundo.

" À noite, nas  Necessidades, o Conselho de Estado reunido persuade o novo Rei, infante D. Manuel, a afastar João Franco e a formar ministério novo. Faz-se a vontade ao inimigo, abatem-se bandeiras perante o crime. « Os regimens sucubem e desaparecem, menos pela força do ataque que pela frouxidão da defesa » - dirá o próprio João Franco. Resume, muito exactamente, um jornal, meses depois: - ' O Rei morreu na tarde de 1 de Fevereiro, no Terreiro do Paço. A Monarquia morreu nessa noite, no Paço das Necessidades ', precisamente quando a Realeza se erguia unida a um governo sério e forte. Eliminado da cena e lançado para o exílio o único homem de pulso, não há em torno de D.Manuel senão os velhos homens dos partidos, sempre envolvidos em querelas de vaidades, sempre obcecados pelo fito de conquistar o mando para si e para os seus amigos  " ( João Ameal )

 

Os partidos que aquele chamara de " rotativos ", aproveitam-se assim da inexperiência bem intencionada do Infante adolescente para voltarem ao mesmo regabofe, depois dos esforços do rei e do seu 1º Ministro para fazerem de Portugal um país decente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:53

A caminho do Regicídio. ( 2 )

por Cristina Ribeiro, em 16.01.13

Preparou-se, pois, logo no mesmo ano de 1907, a partir da casa do visconde da Ribeira Brava, que, tal como José Maria de Alpoim, dissentira do partido progressista, e estava " já lançado no primeiro plano da lucta contra o governo ", um golpe contra João Franco , aprazado para o dia 28 de Janeiro de 1908, organizado pelos republicanos e franco-mações António José de Almeida e Luz de Almeida. Entre os conspiradores estavam os futuros regicidas Buiça e Costa, que haviam sido " escalados para o assalto ao palácio real ", mas " visto o rei ficar em Vila Viçosa ", tinham-se dirigido para o Quartel dos Lóios.
" Na Avenida é que se devia esperar o João Franco ", comentavam entre si os conspiradores, e " após a execução ", proclamariam a república no Terreiro do Paço.
Mas o chefe do governo não aparecia. Deliberaram dispersar. Não sem que a conjura fosse descoberta, por um acaso: " Um policia de serviço na Camara Municipal " vira entrar muita gente para o elevador, que não trabalhava, e lançara o alarme ", tendo a maioria sido presa. Encontraram-se muitas armas, que tinham sido fornecidas pelo visconde.
No dia seguinte, o indignado Alfredo da Costa, chamando covardes aos que tinham " deixado de cumprir o seu dever " dirigiu-se à Redacção do « Paiz », onde se acercou de Meira e Sousa, o director do jornal, e que também conspirava contra o Rei e o seu Conselheiro, a quem exclamou: " - João Franco lavrou a sua sentença de morte ao tocar em António José de Almeida - o seu ídolo -; vou matá-lo! ", ao que o jornalista contrapôs que " o presidente do conselho era apenas uma prolongação do rei, que o dirigia ".
" Então mata-se o rei! ", objectou.

Fonte: « João Franco e o Seu Tempo », de Rocha Martins

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:36

Junqueiro, Soares e Buíça

por Nuno Castelo-Branco, em 04.12.12

Diz-se que tentou vender falsificadas antiguidades Made in Toledo a D. Carlos.  Conhecendo o rei o escasso valor das peças, não cedeu à fraude e recusou o gato por lebre. Daí parece ter surgido um inextinguível ódio de morte que o negociante Guerra Junqueiro cultivaria por muitos anos. Não se dedicando apenas à apreciação de risos de crianças e ao chilrear de passarinhos, açulou potenciais assassinos, antecipadamente os consagrando como heróis no Caçador Simão.

 

Mário Soares faz hoje exactamente o mesmo, parecendo apelar aberta e vergonhosamente ao crime. É esta a interpretação que salta à vista de todos e neste momento já poderá ter-se arrependido daquilo que deixou testemunhado em croniqueta a preto no branco.

 

Se é certo que não desejará a morte a quem ainda há pouco considerava uma personalidade simpática, comete um inexplicável deslize. De forma intencional ou talvez mero acaso palrador e fruto de vapores vinháticos, salta para o jornal de serviço e "dá ideias" a quem sofra de ataques de sangue na guelra. As desastradas palavras proferidas em tom de "aviso", soam mesmo a indecente apelo.

 

Aqui temos um lídimo sucessor de Guerra Junqueiro e da gandulagem do PRP. Mal disfarçada de piedoso "aviso", a crónica de Mário Soares é um autêntico anúncio de "Procura-se!"

 

Estes fulanos endoidaram de vez, esqueceram-se da própria história e agora parecem andar à cata de um Buíça. Conhecendo-se bem certos passados e relacionamentos esquisitos, eles que procurem bem entre as facas-de-mato, pois operacionais não faltarão. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:49

Há 104 anos!

por Cristina Ribeiro, em 01.02.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:15

Há 104 anos!

por Cristina Ribeiro, em 01.02.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:04

Branqueamentos não.

por Cristina Ribeiro, em 11.01.12

Tal como Nuno Resende, também começo a ficar farta do tema, mas há coisas, Samuel, que não podem passar em branco: todos sabemos que a carbonária não trabalhou sozinha - aliás teve, também, a preciosa ajuda de muitos monárquicos; de monárquicos assim Deus livre a Monarquia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45

Como é possível?

por Cristina Ribeiro, em 11.01.12

Para além de outros motivos- e Morais Sarmento confirmou o cabimento do " pé atrás "-, não entendo como é que, após o assassínio de D. Carlos e de D. Luís Filipe, no qual a maçonaria teve, comprovadamente, um papel essencial, pode, em Portugal, um monárquico ser maçon.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:46

Regicídio: o dia seguinte

por Nuno Castelo-Branco, em 03.02.11

A memória não é curta e por vezes, o passar das décadas vai  fortalecendo a certeza que a procura do conhecimento proporciona. A Igreja da Encarnação foi pequena para acolher os velhos fiéis da Causa e tantos outros que até agora desconhecidos, se aproximam com a vontade de manifestarem a vontade da mudança.

 

Dizia-me ontem um conhecido "militante de causas", empedernido eleitor do antigo PSR disfarçado de BE, que ..."vocês são bem capazes de ter razão. Uma Monarquia talvez nos sirva melhor. Mas nada de títulos"!" Talvez seja este o principal óbice, erigido às alturas do preconceito.

 

A reeleição de Cavaco Silva e a séria perspectiva de sucessão barrosista ou marcelista, oferece novas possibilidades.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

O Regicídio, visto de Paris

por Nuno Castelo-Branco, em 31.01.11

"Perante tal atentado, tão selvagem tão planeado, o primeiro gesto é de indignação. Mas isso não exclui a lucidez. Que os povos não tenham ilusões. A revolução, onde quer que nasça e sejam quais forem os pretextos de que se arme, mata primeiro os reis para matar de seguida, mais à vontade, os povos.  Faz o seu baptismo de sangue para prosseguir uma tarefa sanguinária. "Liberdade!", grita o regicida, a maior parte das vezes um instrumentalizado e um impulsivo, o que não o torna mais respeitável. "Servidão", responde a História.

Gentes de Portugal e doutras paragens: acreditem nos franceses experientes que passaram por todos os dramas, todas as loucuras e também todas as inanidades da miragem revolucionária. O que o complot antidinástico visa é precisamente esta ordem hereditária onde são possíveis liberdades, mesmo num visível constrangimento. Trata-se de instaurar a desordem, em regra parlamentar, onde uma fachada de abertura social mal consegue esconder a pior das tiranias. O assassínio do rei só tem como finalidade o advento de reizinhos anónimos, irresponsáveis e passageiros, os quais, não tendo interesse em conservar a nação, a devoram. Os tiros dirigidos ao soberano eaos seu herdeiro vão atingir o coração da pátria, da mesma forma que, segundo a expressão de Balzac, a Assembleia, condenando Luís XVI, cortava o pescoço a todos os pais de família. Os povos são solidários com os monarcas."

 

Le Gaulois, Paris, 4 de Fevereiro de 1908

 

A Real Associação de Lisboa apela à comparência popular no acto de reparação do 1º de Fevereiro de 2011, a realizar-se na Igreja da Encarnação pelas 19.00H, em Lisboa (Chiado). Estará presente a Família Real.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00

Os ecos do Regicídio

por Nuno Castelo-Branco, em 29.01.11

"O regicídio de Lisboa abalava a sociedade paulistana numa só e única demonstração de mágoas. Apesar de chegarem-nos as notícias aos poucos, sem maiores minúcias, a todos preocupou visivelmente o funesto fim do monarca português e de seu filho, o príncipe real; e, com o decorrer das horas, quanto mais se espalhava a infausta comunicação, tanto maior se tornava o sentimento de tristeza na massa popular (...)as ruas, desde o amanhecer de ontem, demonstravam o luto que se apossava da população, conhecido que fora o revoltante acontecimento. Por toda a parte, nas arcadas dos edifícios públicos e particulares, abatiam-se em funeral os pavilhões e à frente das redacções, num pasmo e numa curiosidade, atropelava-se a turba de populares, à busca de notícias, cada qual deixando entrever nas fisionomias a emoção desse pesar fundo e verdadeiro que só um caso como esse poderia ocasionar."

 

Correio Paulistano, órgão do Partido Republicano, Brasil

 

"Londres ficou estupefacta e horrorizada, esta manhã, com as notícias enviadas de urgência a partir de Lisboa pela agência Reuters às primeiras horas da madrugada (...) Homens públicos e cidadãos privados, ricos e pobres, aristocratas e plebeus, todos estavam irmanados ao deplorarem profundamente o assassínio e na solidariedade com a família do monarca morto, que, tendo visitado a Inglaterra frequentemente, era muito conhecido e popular neste país."

 

The Liverpool Courier, 2 de Fevereiro de 1908

 

"Os diplomatas estavam ansiosos por receber informações detalhadas da imprensa. À hora do jantar, muitos deles passaram pela legação portuguesa, encontrando o grupo de jornalistas que aguardavam o regresso do visconde de Alte (o ministro português). O sentimento geral era de choque e desolação perante o crime, e de alguns elogios calorosos ao rei D. Carlos da parte de quem o conheceu."

 

New York Times, 2 de Fevereiro de 1908

 

"É humilhante para o orgulho do século XX verificar que os reis ainda caminham com o homicídio nos seus calcanhares. Crimes como o de Lisboa são uma humilhação não só para o país onde ocorrem, mas também para a humanidade."

 

The Daily Express, 3 de Fevereiro de 1908

 

No próximo 1º de Fevereiro, pelas 19.00h realizar-se-á o sufrágio por D. Carlos e D. Luís Filipe, na Igreja da Encarnação (Chiado, Lisboa). A Real associação de Lisboa apela à participação popular neste acto de reparação. Estará presente a família real.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas