Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A ética do estado mínimo.

por Regina da Cruz, em 11.12.12

Portugal é desinteressante: a justiça não funciona, a legislação muda constantemente, a burocracia para além de cara (muito cara!) atrasa a tomada de decisões nas empresas e claro, os impostos são elevadíssimos, os custos que o estado social acrescenta ao trabalho tornam Portugal não-competitivo e as intromissões constantes do Estado (muito para além do razoável) em assuntos do foro estritamente privado das empresas e do seu funcionamento, atiram Portugal para a posição de vulnerabilidade nos diferentes rankings de liberdade económica e de desenvolvimento humano. Há de facto países bem mais interessantes onde fazer negócio e criar empregos.

A cleptocracia engravatada que se instalou entre nós – políticos, crony-capitalists e rentistas em geral - roubou-nos a liberdade e a criatividade, amordaçou-nos com normas e regras incompreensíveis, intoxicou-nos de ideologia barata, fez-nos reféns das suas exigências. Estes senhores que a democracia valida, apreciam dinheiro mas não querem trabalhar dignamente para o obter: preferem taxar pela via coerciva, pois para além de ser um mecanismo rápido e automático é também muito discreto e altamente eficaz.

Esta gente que nos entra pelos televisores com sorrisos de circunstância, com falso ar de dignidade e aquela simpatia amarela, a posar enfileirados para fotos de cimeiras e de reuniões nas quais congeminam o próximo grande plano para perpetuar a sua vivência inútil à nossa conta, julgarão eles que ainda não topamos a jogada? Para a maioria dos povos europeus é muito claro: a eurocracia de colarinho branco depende do nosso dinheiro para ter um ordenado que sustente o seu sumptuoso estilo de vida.


A esta classe de políticos não lhes reconheço legitimidade moral para ditarem a forma como eu devo viver, para ditarem as escolhas que devo fazer e não me recordo sequer de ter escrito alguma procuração para virem servir-se, por exemplo, do meu ordenado antes mesmo de eu o receber. O abuso de poder e confiança é tanto, que o meu salário quando chega à conta bancária está reduzido a metade! A metade! O estado tem a pouca vergonha de ir junto da minha empresa receber por mim, retirando uma choruda maquia, só depois me permitindo receber a parte restante. Isto admite-se?! E a Constituição não me defende? De que serve uma Constituição que permite um abuso destes?!

E já que estou em maré de perguntar, para onde vai afinal o meu dinheiro?


Faço um apelo à classe política, em especial à portuguesa: se forem verdadeiras as vossas intenções para com o povo português, se estão mesmo empenhados em recuperar a honra e dignidade da classe e do país, se é verdadeiro o compromisso que assumiram de mudar Portugal, apelo-vos que trabalhem pelo salário mínimo. E nem me venham dizer que, com o salário mínimo ficam mais expostos à corrupção porque um argumento desta natureza só vos expõe ao ridículo e demostra a vossa fragilidade moral. É-se imune à corrupção na medida directa da força dos padrões éticos e sentido de dever que adoptamos para a nossa vida, na medida directa da grandeza de carácter e não pelo salário que auferimos - a ética não se compra nem se vende.

 

"Trabalhem" pelo salário mínimo e deixem-me ficar com o meu salário por inteiro pois tenho uma casa para pagar e uma família para começar. E já agora, trabalhem pelo salário mínimo também pelas empresas: deixem-nas ficar com o resultado da sua boa gestão e com o lucro das suas vendas de modo a que se torne interessante investir em Portugal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:03






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas