Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Enlouquecer para reinar.

por Regina da Cruz, em 16.12.12

Miguel Relvas é o Little Boy da sanidade mental dos últimos lúcidos à face da terra. Só as baratas resistem ao seu efeito destrutivo. Há momentos em que ter uma carapaça queratinosa vale mais que ser dotado de inteligência.

 

Vem isto a propósito de uma intervenção com que nos brindou há cerca de 8 dias. Relembremos, portanto. Criticava ele, nessa incubadora de ministros que é a Universidade da JSD de Lisboa (instituição na qual Little Boy tirou parte do curso, como sabemos) que há políticos que só falam ao fim de semana. Eu partilho da indignação e acrescento: e ainda assim falam demais! Podiam ter um pouco de vergonha e manter a boca fechada não só durante a semana mas sobretudo, e por todos os meios possíveis, deviam evitar abri-la em público ao fim de semana. Poupem-nos pelo menos nos dias de descanso, pode ser? Ouvi-lo falar faz ferver os azeites! Sugiro a uma dessas pessoas a quem tenha saído na rifa ser familiar do dito cujo, que lhe ofereça um espelho pelo natal. Ou então que me ofereça a mim uma faca Shogun por caridade, que é para eu cortar os pulsos de cada vez que tenho a imprudência de o ouvir. Já é altura da TV dar um salto qualitativo de modo a possibilitar-nos uma filtragem de conteúdos que não nos interessam.

A realidade é uma cena que não assiste a este boy. E a memória também não. Ao ouvi-lo sou levada a pensar que estamos perante um tipo de pessoa, um daqueles optimistas de trazer por casa, que leva ao limite o mantra new age do “crie a sua realidade”. Acontece que o tipo convenceu-se, sendo capaz de jurar a pés juntos e comportando-se com uma naturalidade surreal, que a realidade que ele imaginou *é* a realidade em si mesma. Ele criou uma farsa e viveu-a intensamente. Tão intensamente que a sua distinta lata fará escola em Portugal no meio dos boys de costume.

Mas não me entendam mal: eu defendo a liberdade. Defendo inclusive a liberdade de cada um em inventar e acreditar nas mentiras e loucuras que quiser. Desde que sejam assumidas como sendo opções pessoais de carácter delirante. Uma coisa totalmente diferente é tentar alienar um país inteiro, persuadir uma nação a acreditar numa mentira, num faz-de-conta que é “normal” tirar um curso da noite para o dia sem esforço, recorrendo a favores de amigalhaços, e sem advirem daí consequências políticas e de que, em suma, a vida segue como dantes, isto é demasiado grave para tolerar. A altivez e sobranceria com que fala de tudo e todos a toda a hora é confrangedora. Inquieto-me perante a possibilidade do senhor sofrer de uma perturbação mental. Cá estarei para relembrar a gravidade destes episódios e do efeito perverso que os actos de certas personalidades públicas têm na forma de pensar e ser dos portugueses. É perturbador e doentio.

Que os nossos políticos se tenham comprometido a empobrecer economicamente Portugal é mau demais; mas que, para além de nos empobrecer economicamente ainda nos queiram empobrecer moralmente e levar-nos à confusão e à loucura , é algo que tem um requinte de malvadez inqualificável! Se esta classe política toda ela, da esquerda à direita, quiser justificar de alguma forma a sua existência e os salários que auferem, pago com o sacrifício dos trabalhadores do sector privado, que ao menos lidere pelo exemplo. É uma das primeiras medidas que faz falta implementar em Portugal, antes de toda e qualquer outra, com a benesse de que é de graça, “não custa nada”...


...ou será que custa?

 

Ps.: Está visto que é ao fim de semana que lhe deve dar especial prazer em fazer afirmações sem qualquer ligação com a realidade.

Governo com “a consciência tranquila para a execução” do OE 2013, diz Relvas

 

“Consciência tranquila” diz ele...

 

 Será que já terá lido a imprensa de hoje de manhã?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:51





Posts recentes


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas