Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bom senso político na era do não-senso generalizado

por João Pinto Bastos, em 10.11.12

Está visto que o CDS é, neste momento, o único partido do Governo capaz, valha-nos isso, de formular uma visão alternativa a respeito do desastre iminente. A proposta que João Almeida (indiscutivelmente um dos deputados mais competentes da direita portuguesa) veiculou ontem é o reconhecimento expresso de uma realidade inegável. Já não se cura apenas de corrigir um plano que não funciona - sim, meus caros, estes planos de ajustamento são assustadoramente disparatados, mas não pelas razões aduzidas pelo PS e quejandos -, trata-se, também, de corrigir o tiro. E essa correcção passa, em parte, pela renegociação da dívida. Uma renegociação honrada, para usar a expressão de Miguel Cadilhe. Porém, desenganem-se os néscios se pensam que basta uma renegociação, pois, com ou sem ela, a despesa terá de ser cortada cerce. Sim, uma renegociação sem um corte radical da despesa do Estado não valerá a pena. Quem não entendeu isto, e infelizmente muitos dos comentaristas que diariamente nos assolam com os seus ditirambos ainda o não entenderam, faça o favor de estudar e raciocinar, se não for pedir muito. Até porque o que aí virá será uma austeridade reforçada. Com ou sem euro.

publicado às 13:44

O debate que urge fazer

por João Pinto Bastos, em 19.10.12

Entrementes, no meio do ruído mediático, Miguel Cadilhe fez, porventura, a intervenção pública mais lúcida dos últimas dias. A renegociação da dívida será, a breve trecho, inevitável. Está escrito nas estrelas. Não é difícil intuir que, com este plano de emergência assente sobretudo no aumento dos impostos, a economia será pura e simplesmente arrasada. Ademais, a renegociação da dívida, ao inverso do que proclamam os "progressistas" de salão da esquerda passadista, não impedirá, nem sequer pressuporá o fim da austeridade. Desenganem-se os papalvos. Uma renegociação bem gizada e conduzida, significaria a manutenção e até o aprofundamento da austeridade, porém, o horizonte de esperança dos contribuintes esmifrados seria manifestamente outro. Além de que a insistência na via impostadeira, com a compressão esmagadora da procura privada, produzirá um contigente ainda maior de falências, ruína e desemprego. Renegociar, mantendo intocado o actual regime cambial, é uma promessa mirífica, sem sustentação nem valimento.


Onde está o debate acerca destas matérias? Ninguém discute, ou sequer vislumbra, a possibilidade bem forte de Portugal, para crescer, ter de abandonar o euro? Há, ou tem havido, alguma produção intelectual sobre os desafios que impendem sobre a inserção estratégia do país no futuro? A resposta a estas questões é negativa. O nosso estado de espírito é de pura navegação à vista. Não há estudo, debate, diálogo, polémica, controvérsia, nada, absolutamente nada. Tudo isto é de uma pobreza confrangedora. O provincianismo em que vivemos resume-se a isto: deixar andar, à espera de que algo, um acontecimento exógeno, por exemplo, resolva os problemas. É pena, e digo isto com enorme pesar, que não haja na direita portuguesa um pensamento ponderado e reflectido sobre esta questão - tirando algumas excepções, como são os casos do insurgente Filipe Faria, ou do ex-cachimbo Jorge Costa. Até porque, ao contrário do que comummente se alvitra, renegociação, mercado, propriedade e liberalismo, não são termos inconciliáveis. É absolutamente triste conceder à esquerda o património deste debate. Triste e angustiante.

publicado às 13:57






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas