Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Desmancha "prazeres"

por Nuno Castelo-Branco, em 10.10.13

Anda meio mundo encantado com o relações públicas de Khamenei, mas há que entender o que verdadeiramente se passa quanto à frenética procura do chamado appeasement. 

publicado às 18:20

What's next?

por Nuno Castelo-Branco, em 27.02.11

Os próximos da lista

publicado às 01:00

Farah Pahlavi documentary

por Nuno Castelo-Branco, em 19.02.11

Ahmadinejad e o seu bando de rufiões, bem poderão estar de partida nos tempos mais próximos e suspeita-se que tal não acontecerá com jasmins, rosas ou lírios. Assim, talvez seja útil conhecermos outras realidades.

 

Infelizmente, não é possível aqui deixamos a versão inglesa deste documentário. O link foi desactivado, mas neste momento conturbado, convém o seu visionamento AQUI. Este excelente trabalho, apresenta-se dividido em 9 partes e está disponível no Youtube. Vejam com atenção o filme 4 e concluam acerca dos nossos aliados norte-americanos, Jimmy Carter, etc. Elucidativo.

publicado às 12:38

Irão

por Nuno Castelo-Branco, em 17.02.11

 

Aflito com o que está para vir, o regime dos aiatolás convoca manifestações. Lembram-se da manifestação convocada por Ceausescu?

 

"For every monarchy overthrown the sky becomes less brilliant, because it loses a star. A republic is ugliness set free." - Anatole France

 

"Reza Pahlavi, Crown Prince of Iran, said Iran’s youth were determined to get rid of an authoritarian government tainted by corruption and misrule in the hope of installing a democracy.

 

The only alternative is a future Iran that is endowed with a parliamentary democratic system,” he said. “But it is up to the people to decide if the final form is to opt for a parliamentary monarchy. It is a matter of if it has merits and can play a role.”

publicado às 14:53

Reza Pahlavi

por Nuno Castelo-Branco, em 15.02.11

publicado às 11:59

Agora, Praça Azadi: em Teerão

por Nuno Castelo-Branco, em 14.02.11

O Público nada diz, pouco importa. A notícia não é "revolucionária". O DN noticia milhares e milhares de pessoas - em directo de Teerão, informam-me de 300.000 -, uma compacta multidão que berra "morte ao ditador". Como não existe qualquer hipótese  de se tratar de algo anti-americano ou anti-europeu, veremos como reagem os media ocidentais. Vejam as imagens, são impressionantes.

 

O que vier, que valha a pena, regressando o Irão da idade média a que há 30 anos se remeteu.

publicado às 19:22

Irão: os crimes dos aiatolás

por Nuno Castelo-Branco, em 23.02.10

 The Los Angeles Times managed to interview the solicitor of Arash Rahmanipour. The young man was executed on 28th January 2010 along with fellow Monarchist Mohammad Reza Ali Zamani (37).

“Lawyer Nasrin Sotoudeh (46) is filled with rage over the treatment of her client, 20-year-old Arash Rahmanipour, who was not defended in court and then was quietly put to death.”
"The defendant met with his lawyer once for 15 minutes before he was sentenced to death and hanged.
"When the lawyer complained to authorities, they ignored her. When she tried to enter the courtroom where he was being tried, they threatened her with arrest. And when she spoke out publicly at what she described as a gross miscarriage of justice, they shut off her cellphone.

"Rahmanipour was arrested in April, weeks before the disputed June presidential election and the mass protests that erupted afterward. Nonetheless, he was tried during the mass court proceedings against opposition supporters last fall and sentenced to death on charges of being a mohareb, someone who takes up arms against God.
"After the sentence was read out in court,
 Rahmanipourpulled himself together, Sotoudeh said. He wrote a letter to his father, Davoud, describing himself as Arash the Archer, a character from Persian legend, who stretched the string of his bow to send an arrow to the farthest distance, sacrificing himself for his nation.
"Immediately after an appeals court upheld the conviction three months later, he was executed.
"At noon, 
Rahmanipour's father called Sotoudeh. To her surprise, he spoke hopefully about visiting his son that day. They had spoken Monday, and Rahmanipour had told him he'd be allowed to see his parents on Thursday.
"He had no idea that his son had been executed hours earlier."

 

No Radical Royalist

publicado às 21:31

Resistir para ajudar.

por Nuno Castelo-Branco, em 24.06.09

  

 

Estas duas últimas semanas têm correspondido plenamente aos anseios seculares da chamada Ummah. De facto, o mundo muçulmano tem preenchido os cabeçalhos da imprensa escrita, enquanto beneficia igualmente da duvidosa honra de abertura de todos os telejornais.

 

Trata-se de uma notoriedade pelas piores razões. A informação global, ao invés de apresentar esta "civilização" com as pinceladas do já há muito fanado brilho do Califado de Córdova, mostra-nos o culminar de um processo já vetusto de uma época em que saídas da camisa de forças do colonialismo - ou mandato - ocidental,  as sociedades de matriz maometana procuraram afirmar uma improvável identidade comum, apenas possível pela crença religiosa. De Marrocos ao Bornéu, jamais existiu essa imaginada unidade que os proselitistas exaltam no fervor dos sentidos, diante das multidões receptivas a uma qualquer mensagem de esperança. Profundamente humilhadas por um longo processo histórico que as conduziu a uma estratificação social - logo político-económica - vexatória a que se resignaram, as gentes recentemente definidas em termos de nação pelas fronteiras de Estados gizados a régua e esquadro pelos nazarin, encontraram num  perdido passado de expansão militar, re-descoberta dos Clássicos e construção de impérios relativamente efémeros, um hipotético modelo orientador para um porvir que emanando directamente do Todo Poderoso, apenas significaria a recompensa pela cornucópia da glória, abundância e superioridade da sua identitária fé. Pouco importariam as realidades apresentadas por uma Turquia em secularização coerciva, uma Argélia satelitizada pela suserania da Santa Mãe do materialismo russo-soviético, ou ainda, a da antiga Pérsia que queria surgir diante da Europa como sua directa antepassada, sem a mediação incómoda  aferrada pelos cavaleiros vindos do deserto do sul e que de cimitarra a tinha subjugado. Pareciam ser aspectos menores diante daquilo que verdadeiramente era capaz de unificar de este para oeste, um novo mundo em formação. Impossível.

 

A realidade internacional saída da II Guerra Mundial e que mergulhando na Guerra Fria dividiu as principais - e até aí hegemónicas - potências  europeias em dois campos, definiu os blocos em liça pela supremacia. Sendo o bloco norte americano um natural prolongamento da Europa, os novos Estados do hemisfério sul continuaram fatalmente a servir como móbil nos jogos de poder, definindo desde a independência qual o dois dos Grandes - os EUA e a URSS - corresponderiam aos desígnios das elites formadas pelo colonialismo e que recentemente chegadas ao poder, esperavam ansiosamente  afirmar-se no palco internacional, por esta forma consolidando  a sua prevalência interna.

 

Embora os europeus e os "árabes" estejam separados por esse mar-de-ninguém que é o Mediterrâneo, desde sempre a História mostrou existir um "amigo e protector" dos muçulmanos. Francisco I de França abasteceu as galeras da Sublime Porta, contrariando a aventura do império mundial de Carlos V. Luís XIV aproveitou o avanço otomano contra Viena, atacando a rectaguarda dos Habsburgo em Espanha, nos Países Baixos, no Franco-Condado e nos mares. Napoleão imaginou uma aliança com o sultão, para poder submeter o bloco austríaco e condicionar os ímpetos do fogoso czar Alexandre. Guilherme II apresentou a Constantinopla a conveniência da assistência prussiana, assumindo-se como protector de um império cujos achaques de "homem doente da Europa" faziam adivinhar um fim próximo. Hitler recebeu o Grande Mufti  de Jerusalém - o único homem a quem permitiu o uso de um cafetã na sua presença - , sancionou o ingresso de combatentes pelo Islão nas SS e no Mein Kampf, afirmava a conveniência que o credo de Mafoma significaria para a organização da sua própria Jihad em direcção a um Lebensraum não apenas material, mas perfeitamente correspondente aos velhos mitos germânicos dos tempos  da vida nas florestas, em oposição à decadência de uma Roma invejada e porque inatingível, tornara-se desprezível e pouco animosa.

 

Uma lista dos chamados grandes homens do século árabe  - na conhecida e errónea vulgarização do termo pelos ocidentais - das independências, demonstra-nos a simples não existência de um único que sendo perfeitamente autónomo relativamente ao odiado Ocidente, pudesse imitar o tolerante e grande chefe que fora o Saladino dos tempos áureos de Bagdade. O líbio Idris, o saudita Ibn-Saud, os egípcios Faruk e Nasser, a plêiade de quase desconhecidos generais que sucessivamente se sentaram no trono do menino Faiçal II do Iraque, os novos Khan-presidentes do artificial Paquistão, os Ben Bella,  Bourgibas, Assads, Kaddafys e tantos, tantos outros que a história apenas reconhecerá em notas de rodapé, nenhum deles foi capaz de oferecer ao seu povo, um modelo definido de ordem, prosperidade e sobretudo, de reconhecimento geral pelo brilho de uma cultura já há muito assimilada pelos europeus. Arrancaram à terra as suas riquezas, desbaratando-as em novéis palácios de Mil e Uma Noites de pesadelos de tortura, guerras, extorsão e preconceitos anacrónicos. Entre todos os "grandes dirigentes muçulmanos", apenas dois perfazem integralmente o arquétipo do homem diligente, moderno e senhor das suas acções que fora de portas é um igual entre os maiores: Attaturk e Mohammad Reza Pahlavi - seguindo o programa modernizador do pai -, estes directos herdeiros de um outro mundo velho de muitos séculos e que compreenderam a necessidade de adequar a sociedade aos tempos da tecnologia, universalidade da Lei e liberdade nacional, bem diferente do complexo e muitas vezes equívoco conceito que a restringe à esfera pessoal do anónimo. 

 

Fracassaram nos seus propósitos, pois ansiosos em ir sempre mais além e de forma acelerada, não conseguiram ser totalmente compreendidos e acompanhados por sociedades resignadas e estruturadas de uma forma conceptual diametralmente oposta à do modelo que lhes ditava a moda, organizava os serviços essenciais a um Estado, criava o consumo e estabelecia os parâmetros de conduta. Se Attaturk ainda permanece hoje como uma referência ciosamente guardada pela vigilância que os militares exercem sobre as sucessivas interpretações do próprio khemalismo, o grande homem que foi o Xá Reza Pahlavi, acabou deposto pela conjugação de factores que não podia controlar. O auge do confronto EUA-URSS no ocaso da Guerra Fria; os choques petrolíferos nos quais procurou ser um elemento apaziguador - que lhe granjeou acirrados ódios internos e entre os "irmãos de fé" -; a oposição de um clero profundamente patriarcal e de uma mentalidade onde prevalecia o espírito da organização rural em contraposto à "prostituída" vida urbana e finalmente, as consequências  inevitáveis do seu desejo de independência e de igualdade entre os grandes, condenaram-no a um fracasso que criou uma inédita situação internacional que hoje parece finalmente evoluir de forma abrupta e inesperada.

 

Esta dualidade amor-ódio pelo Ocidente, pode ser afinal, um grande e poderoso móbil para mais uma e talvez derradeira aproximação do Ocidente, a um "mundo muçulmano" desconfiado, hesitante, mas talvez ainda possível de subtrair à total capitulação perante uma interpretação abusiva de um passado cada vez mais anacrónico. Usam e idolatram a tecnologia nazarin, organizam as suas cidades sob a métrica nazarin, organizam-se em termos legais numa mescla impossível do primado constitucional-legal nazarin, com os preceitos próprios para a salvaguarda identitária das já há muito desaparecidas tribos do deserto do século VI. Encandeados pela luz das nossas urbes são para a Europa atraídos como ferro para imã, mas a coacção moral e física de uns tantos, julga poder convencer a massa expectante, da prometida conquista que vingue a própria impotência.

 

A única fórmula possível de assistência naquela demanda pelo progresso, consiste na manutenção de uma posição firme, inabalável. Qualquer cedência ao capricho de assembleias de homens sábios, condena aquelas sociedades a um desastroso fracasso, do qual nós próprios seremos as preferenciais vítimas. Há que resistir.

 

 

 

 

publicado às 17:03

a, parece que recente, biografia do Yattolah Khomeini, e o ter chamado a atenção para que daqui a alguns anos se vai falar tanto no ano de 1979, em que o derrube do Xá Pahlavi deu lugar ao nascimento do fundamentalismo islâmico, como agora falamos de 1917, por exemplo.

 

Hoje de tarde ouvi Bernardo Pires de Lima dizer que há já uma enorme camada de jovens iranianos qque não querem viver numa sociedade pária, como por exemplo a da Coreia do Norte.

 

E uma terceira pessoa ( Ângelo Correia? ) a dizer que o tema da condição feminina é cada vez mais abordado.

 

Completo este círculo de associações com a releitura da entrevista dada à Revista Atlântico por Maryam Rajavi, a chefe da resistência no exílio, onde surge à frente de uma facção moderada, e interrogo-me: o que será no futuro aquela que foi uma monarquia antiquíssima?

publicado às 00:05






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas