Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Degradante indecência

por Nuno Castelo-Branco, em 15.07.09

 

 As perspectivas oferecidas aos eleitores lisboetas são hoje praticamente nulas. À direita, apresenta-se Santana Lopes, homem de trato cordial, educado, mas cuja candidatura serve apenas de entretenimento a uma facção que desde há décadas faz parte activa no ritual autofágico que mina o PSD desde 1974. 

 

À esquerda surge agora um dr. Costa que acabou por anexar o falso candidato do BE . Na realidade, quando foi anunciada a candidatura de Sá Fernandes pela coligação estalino-trotsquista, cumpriu-se plenamente o arco do absurdo, pois tratando-se de um próximo de Ribeiro Telles, o recurso bloqueiro ao seu nome, apenas serviu para preencher o gritante e costumeiro vazio da demagogia. O próprio anúncio formal da lista fez dissipar qualquer dúvida, pois apenas estava presente no palco, o verdadeiro e hoje extinto PPM de outros tempos e não se vislumbrou nem sombra de Louçã, Drago, Portas II ou Rosas. Para a próxima consulta eleitoral, nada de auspicioso se apresenta no horizonte dos nacional socialistas-revolucionários.

 

Ainda não foi divulgado o âmbito das cedências que Costa teve inevitavelmente de fazer a Ribeiro Telles. Que as fez, não pode existir qualquer incógnita, mas o vasto e complexo programa sine qua non do qual GRT nos falava no passado Sábado, impõe logo por si, uma outra forma de gestão da Câmara. É precisamente este aspecto, o que torna estranha esta súbita aquiescência da actual administração que ao longo do seu mandato, foi tão propensa à celebração de acordos e tomadas de decisão inacreditavelmente prejudiciais ao interesse público e que no post de ontem sumariamente mencionámos.

 

Até há escassas horas, existia ainda a possibilidade Roseta, candidatura nada independente - dado o seu conhecido e militante alinhamento político -, mas que oferecia algumas possibilidades de ponderação. O lugar obtido nas últimas autárquicas - às custas de um propagandeado apartidismo -, eram uma boa base de trabalho para a verdadeira alternativa que urge apresentar ao povo de Lisboa. Roseta deitou tudo a perder, pois a antiga militante do PPD/PSD e do PS, caiu uma vez mais, no vórtice de uma partidocracia pantagruélica que desta forma confirma plenamente a já enraizada certeza do total enclausuramento do sistema. Mais uma decepção que apenas confirma a regra.

 

Concluindo, resta-nos esperar por um belo dia de fim do verão, aproveitando a praia e gozando de antemão, a perspectiva de uma brutal abstenção sancionadora. A hipótese CDU - a tal sempre auto-apregoada excelente gestão autárquica - que tão "boas provas" deu em Loures, no Barreiro e na Amadora, garantiria a completa transformação da capital numa imensa favela social. Um tipo de progresso nada apetecível.

 

Tudo isto é degradante e sobretudo, indecente.

 

publicado às 20:30





Posts recentes


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds