Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bacanais, orgias e uniões políticas

por John Wolf, em 20.03.13

Tenho andado equivocado. Tenho procurado uma grande teoria para explicar o descalabro da União Europeia (UE) e cheguei a uma simples conclusão. É óbvio que a UE nunca poderia resultar. Sem grandes elaborações conceptuais ou teóricas, mas baseando-me apenas em provas fornecidas por seitas e grupos místicos, podemos afirmar, de um modo moralista ou não, conforme os gostos, que uma relação poligâmica tinha de dar nesta confusão, neste arrufo de namorados.  A comunidade económica, que começou de mansinho como uma coisa séria, vista retrospectivamente, nada mais foi do que um imenso bacanal. Um orgia política coberta por uma manta de grandes desígnios económicos. O grupo, formado por dois ou três machos valentes, líderes espirituais do norte, e uma panóplia de seguidores do sul, estava destinado a esbarrar com um dissidente. Um membro insatisfeito com os rituais impostos pelos iluminados. O Chipre confessa agora os seus dois amores. O coração amargurado do Chipre revela a sua ambivalência. Viveu estes anos todos  num ménage à trois enquanto a maralha pensava que era uma união de facto. A ilha solitária vacila nesta hora de aflição. Procura o conforto de alguém. Não sabe ainda se deve entregar o seu amor à Babushka ou preservar a amizade colorida com tantos parceiros de deboche - 27 ao todo. Levou uma mocada dos lideres espirituais e começa a ter sérias dúvidas sobre a religião que professou durante tantos anos. Quando o Chipre rasgar os votos de feliz casamento  com a UE, outras noivas seguir-lhe-ão as pegadas...braçadas para não se afogarem. 

publicado às 10:24

A "vitória" de Putin

por Pedro Quartin Graça, em 05.03.12

publicado às 10:07

Putin, o Alexandrinho Nevski em part-time

por Nuno Castelo-Branco, em 21.03.11

Um dos mais implacáveis interventores em territórios alheios, decidiu-se hoje a juntar a sua voz, à de antigos camaradas do amanhã que jamais chegou. Putin copia as declarações de Castro e Chávez, chegando ao ponto de se apropriar do ridículo argumento em voga desde os tempos da II Guerra do Golfo e que faz os Cruzados renascerem à hora dos noticiários. 

 

A Rússia é um dos alvos mais apetecidos dos radicais muçulmanos que desde a fronteira ocidental da China e por todo o vasto espaço da antiga Ásia Central soviética, despoletaram situações de completa insegurança no Cáucaso, sul da Rússia e nas próprias duas grandes cidades do país, Moscovo e São Petersburgo. Putin e o seu "Roberto em cena", têm sido expeditos nos métodos para o aplacar de quaisquer veleidades secessionistas e invocam a luta antiterrorista, como uma necessidade da segurança colectiva. O esmagar de quem lhes surja pela frente, não olha a métodos ou à dose de brutalidade, tudo e todos liquidando sem contabilizar vítimas-reféns ou os algozes do momento.

 

Invocando a luta antiterrorista, é assim que se explicam junto da comunidade internacional, melhor dizendo, de um Ocidente receoso e bastante atento à sua fronteira leste. Grozni - destruída a tiros de canhão -, Baku, a Geórgia, Abecázia Nagorno-Karabak e outros pontos perigosamente próximos da instável zona do Médio Oriente, podem sempre contar com as "cruzadas" à Alexandre Nevski, a executar pelos tanques de Putin e Medvedev. Provavelmente agastado pelo quase certo desaparecer de um importante cliente de armamento Made in Russia, Putin enerva-se e agudiza o som das cordas vocais, copiando os argumentos da dupla Kadhafi senior-Kadhafi junior. Não tardará muito, até começar a fazer o estapafúrdio link entre a Al Qaeda e a NATO.

 

Bem vistos os factos, todo este arrazoado de futilidades resumir-se-á à justificação de mais uma ajuda ao conglomerado militar-industrial russo, desejoso de fazer pesar ainda mais, a sua omnipotência no regime de Moscovo. Pior ainda, Kadhafi acenou-lhe com miríficas concessões petroleiras, hoje vistas por um canudo. Trata-se de uma questão comercial e tendente a piscar o olho mundo fora, a novos clientes de armamentos que no caso do Médio Oriente e mercê da inabilidade dos usuários, têm a irritante tendência para a aniquilação no terreno, vitimados pela tecnologia ocidental.

 

Pelos vistos, nada esqueceu dos seus tempos de bisbilhotice de arquivos e dos serviços arranca-unhas que terá prestado na Praça Lubianka.

publicado às 15:27

Há noventa anos. Há cem anos.

por Nuno Castelo-Branco, em 17.07.08

 

 

"Quando o monarca sucumbe, a realeza não morre sozinha, mas, como um abismo, arrasta consigo tudo o que a circunda; é como uma roda colossal, fixa no alto de uma montanha, a cujos enormes raios estão ligadas  dez mil peças mais pequenas, e que, ao desmoronar-se, leva consigo todos estes frágeis anexos que, tal um pobre séquito, a acompanham na sua impetuosa ruína. Nunca o rei suspirou a sós que não gemesse com ele a nação inteira".

Shakespeare, Hamlet (acto II, cena 3).

 

Assim aconteceu em Portugal, e neste centenário da república, o regicídio é parte integrante e essencial da imposição do novo regime.

 

Passam hoje noventa anos do assassinato colectivo da mais bela família do planeta Terra. Nicolau II, a czarina Alexandra de Hesse, as grã-duquesas Olga, Tatiana, Maria e Anastasia, o czarevich Alexis e todos os acompanhantes, foram liquidados a tiro de pistolas Nagan, por ordem directa de Lenine e de Trotski.

 

Dez anos antes, quando do regicídio de Lisboa que vitimaria o rei Carlos I e o príncipe Luís Filipe, o futuro dirigente comunista regozijava-se com esta obra dos republicanos, não imaginando que um dia ditaria a ordem de assassinato do seu soberano e de toda a sua família mais directa.  A liquidação dos Romanov, seria o marco essencial que caracterizaria a ferocidade do regime comunista durante as sete décadas que se lhe sucederam. Dezenas de milhões de inocentes acompanharam o trágico destino da família imperial, esquecidos em geladas valas comuns algures nos Urais ou na Sibéria, vitimados pela arrogãncia, prepotência, maldade e inépcia do regime mais sanguinário e vil de que há memória.

 

Como a História encerra ironias incontornáveis, Lenine é agora amaldiçoado como um dos maiores criminosos da raça humana. Hoje, na Russia, Nicolau II encontra-se bem posicionado para ser o escolhido do seu povo, que se prepara para o declarar o maior russo de todos os tempos. Vae victis, Lenine, vae victis!

publicado às 23:52






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds