Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cozinha de Austeridade

por John Wolf, em 25.03.14

publicado às 19:08

Portugal de sempre

por Regina da Cruz, em 06.10.13

Encontrei este texto de Luísa Costa Gomes, publicado há mais de 20 anos, e acho graça como tão pouco parece ter mudado desde então. A parte que a autora dedicou à Língua é acertadíssima e profética, se a lermos à luz do (des)acordo ortográfico vigente. Gostei especialmente dessa parte e daquela em que se refere ao sistema político.

Aqui fica.

 

Luísa Costa Gomes sobre Portugal:

 

Um artigo enciclopédico que pode bem constituir um guia imprescindível para o visitante desse curioso, cómico e longínquo país. Tudo o que é preciso saber sobre a sua paisagem, geografia física, regime político, cultura, economia, gastronomia e anedotário.

 

Superfície: 90.082 metros quadrados; estima-se em dez contos por metro quadrado, o que está ao alcance de qualquer multinacional de porte médio. Portugal optou pela sóbria forma rectangular, rejeitando o bicudo barroco italiano, o quadrado do pastelão espanhol, a nódoa de territórios que alastram ao acaso sem rei nem roque. Sábio e prático a um tempo, e mesmo antes do tempo, Portugal escolheu, mais do que a forma rectangular simples, o rectângulo ao alto, permitindo contentar os que vivem no litoral — e constroem casas no interior, nunca muito longe — e os que vivem no interior, migrando para o mar, onde constroem casas. Sabe-se o resultado nefasto do rectângulo ao baixo, origem de insatisfação e muita desigualdade em colossos como o Não-Sei-Quantos (antiga União Soviética e mais antiga Rússia imperial) e os Estados Unidos da América. É verdade, alegarão, que também o Ghana e o Togo são rectângulos ao alto, mas aqueles têm uma nesga de mar que não dá sequer para Turismo, quanto mais para fazer História.

 

Capital: Lisboa. A cidade espaçosa e harmoniosa das literaturas do século passado atravancou-se de mostrengos que parecem desenhados por um bando de lunáticos megalómanos e coloridos por uma turma de crianças excessivamente normais. Predomina a arquitectura de arco e fresta, ombreando ostensiva com os escombros dos magníficos prédios que tiveram prémios. De longe, Lisboa é das cidades mais insinuantes do mundo, clara, ondeante, pousada no rio. Ao perto, um monte de ruínas ligadas por valas que são regularmente abertas e fechadas, ao ritmo do calendário eleitoral. Dir-se-ia que a parte mais séria da cidade é o subsolo, e que os governantes escavam, com irracional obstinação, à procura de tesouros, à procura de raízes.

 

Cenários Naturais: Quem for a Portugal à espera daquelas cenas refrigerantes de que Garrett falava nas Viagens, tem de ir pronto para trabalhar em abstracto. Não há colina que não apresente a sua fabriqueta malcheirosa, não há extensão em que não figure o aglomerado de prediozinhos castanhos de varandas anodizadas; naquelas vistas solitárias de outrora pôs-se um bairro de barracas, uma chaminé de fumo negro, um monte de sucata, um vazadouro de entulho onde branqueja a tabuleta "É proibido despejar entulho". Pelos campos, é a vivenda a protagonista, em todo o seu horror. Em vez de a esconderem em meio de discreto arvoredo, plantam a casa a meio metro da auto-estrada: e o viajante, a menos que vá de rosto escondido nas mãos e de cabeça apertada entre os joelhos, é forçoso que as veja. E mais à família, esparramada na varanda, debaixo do guarda-sol, depois do cozido, enquanto os meninos da casa, debruçados contra o aviso parental, contam os automóveis que vão na bicha. Dentro dos automóveis, as famílias discutem. Vêm de suas segundas casas, para as primeiras. A chegada, foi preciso limpar, desempoeirar, desentupir. A televisão estava húmida, não pegou. No dia seguinte, comeu-se demais ao almoço. Agora as crianças estão com sono. O calor enerva as famílias.

 

Clima: Já não é o que era. Curiosamente, os nativos continuam a imaginar que vivem num clima temperado marítimo, mesmo quando as temperaturas sobem para os quarenta graus em Julho. O conceito de estação do ano tornou-se obsoleto. O clima é, sobretudo, variável. Temos um dia de Inverno seguido de um dia de Verão, depois de um dia de Primavera que é um dia de Verão com um bocado de vento fresco. Num ano chove tudo, noutro não chove nada. Em Portugal, bate-se o dente de Norte a Sul durante os meses frios e fica-se perplexo e molemente indignado quando o termómetro passa dos quarenta; nada está preparado para lutar contra os elementos, ou sequer minorar os seus efeitos. E a pobreza, num clima variável, pode ser muito cruel.

 

Economia: Os analistas vêem nos Portugueses uma raça de pessimistas insaciáveis, sonhadores invertebrados, gente de fogachos que deixa tudo em meio. Mas um olhar sobre a imaginação dos Portugueses mostrará que, ao contrário, estamos em presença de um dos povos mais optimistas e mais facilmente silenciáveis do mundo; dir-se-ia, — e quem sou eu para presumir saber? — que o português ansiava pelo Universo, mas se contentava com um T zero a Santo António dos Cavaleiros. Hoje anseia por um T zero a Santo António dos Cavaleiros e contenta-se com ele. E, apesar de ser objectivamente um país pobre, bastou que o Pai da Pátria dissesse repetidamente aos eleitores que estavam ricos, para que eles, na sua candura e satisfação naturais, acreditassem. Até os torresmos ganharam outro paladar. Os Portugueses são pobres e não perdoam a ninguém. Abominam a sua pobreza, escondem-na, envergonham-se dela. É o concerto das nações que tem a culpa — e há-de pagá-las todas.

 

Sistema político: Aparentemente, é uma democracia. A oposição é da confiança do governo. Havia uns comunistas mas comeram-se uns aos outros. O povo em geral é da confiança do governo. Há um processo formal de eleições de vez em quando. A população é mansa e gosta sobretudo de ditadores magros, austeros e de modelo paternal forte. A ideia que o chefe deve veicular para convencer é a da sua eficiência. O Português preza-a acima de tudo, porque é um valor mítico que sabe não estar ao seu alcance.

 

Cultura: Dizem que houve, mas agora já não há.

 

História: É muito bonita. Os portugueses mantêm com ela uma relação ambivalente: desconhecem-na, por um lado, quase inteiramente — o que lhes permite uma mistificação que não é ingénua — e invocam-na para se desculparem dos descalabros dos séculos mais recentes. Paradoxalmente, sendo um dos povos de identidade mais forte e estabelecida da Europa, preocupam-se sobretudo com a questão metafísica da sua personalidade mítica.

 

Língua: Própria. A Língua Portuguesa veio do Latim, mas já foi há imenso tempo. Aos nativos, no entanto, parece não interessar absolutamente nada de onde é que ela veio, e, sobretudo, para onde é que ela vai. O português do ano dois mil — como hoje se prefigura — não terá formas complexas de qualidade alguma. A tendência simplificadora e redutiva que se afirma no vocabulário, na sintaxe e um pouco por todo o lado, fará desaparecer formas como, por exemplo, o saber-se-ia e o poder-se-ia, relegando o coitado do mesoclítico para o fim (saberia-se e poderia-se, se não mesmo saberiasse e poderiasse); a influência da colonização brasileira tenderá a tornar a pronúncia cada vez mais arbitrária e introduzirá estranhos termos arcaicos; dominarão formas de rufianismo linguístico, no pressuposto de que "desde que se entenda, está certo", tendendo a comunicação para o mais elementar dos grunhidos, apoiado pelo mais eloquente dos gestos. "Saberasme dezer por cades ir a Viana?" será, a curto prazo, uma expressão culta.

 

Gastronomia: A regra é simples: tudo o que é pesado, é português. Fritos, refogados bem puxados. Vinhos de cair para o lado. Um doce não é doce se não levar as vinte gemas da praxe. É tudo muito bom e tudo faz muito mal. Por via da sua Gastronomia, o verdadeiro dilema moral dos portugueses não é decidir-se entre o Bem e o Mal —para o português, o único valor moral que existe é o que lhe convém —, mas entre rebentar ou viver.

 

Anedota: Um homem morre e chega às portas do Inferno; em cada uma das entradas se afixaram as ementas de tormentos e o retrato do diabo responsável. O homem lê:"Guichet n° 1 — Inferno Alemão — Horário dos fogos: 9h-13h; 14h-18h. Gás da Companhia. Descanso semanal. Extras: roda de entortar, chicote, discursos políticos. Não se fazem devoluções." O homem espreita: só duas pessoas esperam junto do guichet.

Dirige-se à outra porta, onde se lê o menu do "Inferno Francês — Horário dos fogos: 9.30h-12.30h; 15h - l7.45h. Atendimento personalizado. O diabo-chefe deseja-lhe uma boa eternidade. Não franceses: é favor dirigirem-se ao guichet n° 1." O homem espreita: cinco pessoas esperam entrada naquele inferno.

O homem prossegue. Uma porta a que falta a maçaneta anuncia o "Inferno Português — Horário dos fogos: 7.30h-19.30h. Não fazemos intervalo para almoço. Fogos individuais, de grupo e colectivos. Patrulhas de hora a hora, chicote, censuras, culpabilização incluídos. Horrores nunca vistos. Última palavra em tecnologia da dor. Não se aceitam reclamações." Junto ao guichet aglomera-se uma multidão ululante, empunhando maços de documentos oficiais. Todos se empurram para entrar. Os mais velhos passam à frente, alegam dores nas costas, antiguidade. O homem relê o anúncio. Parece-lhe o inferno pior, o mais tenebroso, o mais ameaçador.

Chega-se a um pretendente que, na bicha mal-formada, grita para a frente o universal "Então essa merda não anda?". O nosso homem informa-o de que os outros infernos estão às moscas e são muito melhores, mais humanos. O alemão até faz descanso semanal. É então que o homem-da-bicha esclarece, apontando o guichet português que, às dez e meia, ainda não abriu: "Bem vê: aqui, o horário é mais terrível, mas, normalmente, não é cumprido; o mais das vezes não há gás para os fogos; os diabos jogam às cartas o tempo todo e deixam-nos descansados; havia umas chibatas e uns pingalins, mas desapareceram, diz-se que foi o superintendente que os vendeu aos alemães. E os horrores que eles anunciam são um dragão vegetariano a cair de fome e uma figura de cera do Marques Mendes que diz 'Portugueses!' com voz de falsete, quando se mete a moeda. Mas como nunca há trocos, mantém-se de olho semi-aberto e bico calado. E aquela da tecnologia da dor é um tipo magrinho que traz uns alfinetes, mas meteu baixa aí há três meses porque tem a mulher doente e não arranjaram substituto." E o neófito, convertido ao paradisíaco inferno português, integrou-se na bicha para pedir as minutas necessárias e tirar as cento e cinquenta e sete certidões, certificados, registos, cartões, bilhetes, cartas e fotos e poder, enfim, acolher-se à sombra daquele oásis de cândida ineficiência, fabricada com as mais altas intenções.

 

Ler 19, 1992, pp. 50-51.

 

 

Retirado do site LUSOMANIA, onde se encontram outros textos satíricos que vale a pena ler.

publicado às 15:26

Ode Alegre a Passos Coelho

por John Wolf, em 03.09.13

 

Abaixo el-primeiro Passos

É preciso enterrar el-Coelho

é preciso dizer a toda a gente

que o empassado já não pode vir.

É preciso quebrar na ideia e no governo

a troika fantástica e doente

que alguém trouxe numa legislatura

 

Eu digo que está em marte.

Não deixai em paz el-primeiro Passos

deixai-o no desastre e na loucura.

Sem precisarmos de sair do ponto

temos aqui à mão Seguro e a terra da aventura.

 

Vós que trazeis por dentro de cada gesto autárquico

uma cansada humilhação

deixai falar na vossa voz a voz do eleitor

cantai em tom de grito e de protesto

matai dentro de vós el-Coelho redentor

 

Quem vai tocar a rebate os sinos de Portugal?

Poeta: é tempo de um cunhal por dentro da canção.

Que é preciso bater em quem nos bate

é preciso enterrar el-Passos vingador

 

(variação do poema de Manuel Alegre - Abaixo el-rei Sebastião)

publicado às 09:35

 

Um país que está a afundar e os Portugueses não sabem nadar. 

publicado às 11:10






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds