Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Arrastão de Alcochete

por John Wolf, em 16.05.18

Breakaway_Balsa_Baseball_Bat_grande.jpg

 

José Sócrates detém uma quota-parte da responsabilidade em relação ao sucedido em Alcochete. O facto de andar a fintar a Justiça com artimanhas de toda a espécie, instiga nos demais concidadãos a ideia de impunidade - a noção de que é possível prevaricar, adiar o sistema jurídico à exaustão, e sair em liberdade a tempo de ver a final da Malga de Portugal. Ou seja, os cerca de 50 encapuzados que se fizeram à Academia do Sporting levavam debaixo do braço marretas, mas também teses alicerçadas no argumento "apanha-me, se puderes". Por outro lado, Bruno de Carvalho lembra António Costa, mestre da normalidade pós-flagelo, sem mazelas traumáticas a apresentar. Pedrógão e Alcochete partilham o adjectivo - "foi chato, mas amanhã é um novo dia." Ambas as patologias são afinal a mesma doença decorrente da ausência de verdade e consequência. Assim anda Portugal - há tanto tempo. Se não cuidarem de certas premissas o bico de obra será ainda maior. Costa gosta muito de comissões e autoridades. Venha de lá mais uma para encher o olho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:21

As minhas bolas são maiores que as tuas

por John Wolf, em 29.12.15

money-ball.jpg

 

Algo vai mal no reino da Dinamarca, perdão, dinheiro. É isso, dinheiro. Algo vai mal no reino do dinheiro. Dinheiro marca. Dinheiro marca golos. E a festa está prestes a começar. Aquilo que está a acontecer com os contratos multi-milionários respeitantes à cedência de direitos às operadoras pelos três grandes do futebol, faz parte, na sua essência, da mesma matriz cultural que retrata este país. O vizinho do lado comprou um carro novo, então eu vou comprar um ainda mais novo. A vizinha do lado veste Prada, então eu visto Gucci. E aí por diante. É verdadeiramente escandaloso que um país estropiado económica e socialmente possa dar-se ao luxo, instigado pela ganância do negócio, de se vergar à luz do disparate dos valores em causa. A MEO, a NOS e os demais intervenientes neste espectáculo de centenas de milhões de euros, estão a encher uma bolha especulativa que não se coaduna com a dimensão do mercado nacional de futebol. A matéria extravasa por completo os limites dos relvados, e, na minha opinião, deveria ser tema de grande debate político. O presente governo, campeão do controlo do Estado, sacerdote da regulação bancária e eunuco da especulação financeira, deveria meter a pata nesta poça, mas por alguma razão celestial que nos escapa, não se escuta a sugestão de intervenção preventiva, de acompanhamento razoável do que está em causa. A entidade reguladora dos negócios do futebol (não sei se existe?) deveria medir os contornos destes negócios. Estamos a falar de quantias que certamente não resultam de "dinheiro em caixa", mas possivelmente de veículos de investimento complexos. Ou seja, os mesmos de sempre - os bancos. Nenhuma operadora guarda no bolso estes valores avultados. A haver desastre financeiro das operações em causa, já sabemos quem paga. Desconfio muito que os clubes de futebol e as operadores irão receber o mesmo tratamento distorcido concedido aos bancos falidos, caso as coisas dêem para o torto. Sim, o campo está inclinado. E muito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:43

Sporting campeão com Bettencourt é ficção

por João Gomes de Almeida, em 14.12.10

Agora que o meu grande amigo Pedro Quartin Graça já cá está, já posso falar do nosso Sporting. Aliás, hoje acordei e pensei finalmente no meu Sporting, porque desde a derrota de sábado que ainda não me tinha dado ao trabalho de pensar no assunto - o que se tornou uma prática recorrente. Nós sportinguistas, estamos habituados a perder sem darmos luta, estamos habituados às fracas ambições que os nossos fracos dirigentes nos têm vindo a incutir, em nome de uma suposta estabilidade financeira, que os únicos resultados que nos trouxe foi ter arruinado o nosso futebol profissional e ter afastado os nossos investidores e patrocinadores. Há 23 anos que não estávamos tão mal e a culpa é única e exclusivamente de José Eduardo Bettencourt e da escumalha, como o director desportivo Costinha, que o ex-banqueiro foi entachando pelo clube.

 

Esta tropa que para ali anda, ainda não mostrou qualquer resultado e a única coisa que tem feito é vender os maiores activos do clube, ou seja, os nossos jogadores de formação - agora, no mercado de Dezembro, o circo vai continuar, Djaló irá embora sem ter tido oportunidade de jogar esta época, Tales e Grimi devem seguir o mesmo rumo, Izmailov finalmente irá embora e o guarda-redes Hildebrand, escolhido por Costinha há uns meses, também.

 

No meio disto tudo, o jogador Maniche vem dizer «que não aceito críticas de falsos sportinguistas» - isto vindo de um jogador que se diz sportinguista e que no topo da sua carreira fez questão de jogar no F.C. Porto, voltando ao seu clube de "coração" já fora do prazo de validade e em busca apenas da reforma dourada que o amigo Costinha lhe decidiu oferecer, tal como já tinha feito ao eterno lesionado Pedro Mendes.

 

Sinceramente, o Sporting não precisa desta canalha, não precisa do Bettencourt, não precisa do piroso do Costinha e não precisa dos amigos velhos do Costinha no plantel. O nosso Sporting precisa de um novo presidente, que se afirme na responsabilidade de ganhar títulos e voltar a fazer do Sporting um grande clube nacional - se isto não acontecer, seremos brevemente um novo Belenenses e a culpa será única e exclusivamente dos sócios, que elegem os seus dirigentes com base no apelido de família.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00






Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds