Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fruta silly season

por John Wolf, em 08.08.16

 

Cucumber.jpg

 

Quase todas as pessoas que eu conheço apreciam uma bela salada de fruta – fresquinha é ainda melhor, um mimo - uma tentação. E há uma razão fundamental para que assim seja. No meio da selva, da orgia de frutos silvestres, dos gomos sumarentos e do “tudo ao molho e fé em dióspiros”, existe sempre a possibilidade de cada um praticar a sua modalidade preferida, de escolher o seu parceiro adocicado – já se sabe, gostos não se descuram. Há quem queira a banana ou deseje o ananás e exclua, sem mais nem menos, a laranjinha das considerações gustativas. A saladinha de fruta obedece a esse princípio de que o cliente nunca sai de mãos a abanar – a satisfação será garantida seja qual for a língua. De maneiras que é assim; quando não se aprecia o kiwi basta pescá-lo e recambiá-lo para a Nova Zelândia, retirá-lo à linha da taça transparente – o vidrão onde geralmente a fruta é exibida de um modo despudorado. A colher, que parece insonsa, afinal é uma ferramenta fetichista que trata do assunto sem remorsos. Mas apesar destes golpes, não existe sobremesa mais democrática do que uma bela rapsódia de fruta – o homem e a mulher quando confrontados com essa fartura mesclada de sensações, apenas chupam o que querem e não são obrigados a engolir em seco. A fruta-pão até pode vir descascada, mas só por não ter caroço não significa que não possa ser devolvida. E nessa gala de tentações e guloseimas apanhadas à mão da árvore mais próxima, há fruta que fica por cima e outra que é esmagada pela virilidade concorrente de um belo cacho. Dizem que as nêsperas são melhores que os abrunhos e isso é mau – é discriminação natural com vitaminas de todas as cores metidas ao barulho de uma alimentação saudável. Mas deixemo-nos de eufemismos e chamemos as coisas pelos nomes: há fruta sexy e outra nem por isso - ponto final. Há néctares de glamour feitos na hora e reles sumos de segunda. Sempre foi assim e duvido que haja um espremedor que produza uma outra casta de ideias. O bicho do fruto pode andar por aí a fazer das suas, mas ainda não conseguiu destronar o governo afrodisíaco da cultura frutícola. No entanto, e apesar das nossas genuínas intenções, estamos a ser limitados na nossa apreciação gastronómica. E os legumes? Que é feito deles? Será que existe um ranking de verduras eróticas? Estava a pensar em todas essa ricas peças que abarbatamos no mercado mais próximo, mas que não merecem o olhar atento da nossa libido. A batata e a courgette vão diretamente para a panela sem uma palavra amiga. Colocamos a tampa, pomos o fogão a debitar calor e não se fala mais no assunto. A beringela – coitadita -, lá por ter curvas acentuadas e vestir tamanhos grandes, não deve ser dispensada do ménage. A dama farta veste látex como o diabo veste Prada. O seu toque escorregadio não é lycra não senhoré textura natural e pode fazer as delícias de gente de espírito aberto. Mas existem ainda outros desprezados no jogo de sedução hortícola que decerto guardam algum rancor na despensa. A couve-flor tem inveja do pepino. Esta flor que não se cheira há muito que vem sendo vilipendiada pelo pickle. Este garanhão da horta da fonte está sempre a receber convites para festas temáticas. O pepino avinagrado mal sai do boião de rosas, raramente regressa ao imaculado caldo. O raio do vegetal parece mais um animal e não tem descanso por isso. A couve é outra desgraçada que não sai da casa. Fica acordada em sobressalto, pesarosa e pensar na sua vida. Quando de repente escuta o trinco da porta a altas horas da noite e diz: “ah, és tu cenoura. Pensava que era o pepino. Saiu às 10 da noite com aquele tomate ordinário e ainda não voltou.” Estão a ver o que eu quero dizer? Há aqui muita verdura magoada como se fossem batatas esmurradas. O sexo que dizem ser dos anjos também é dos legumes, não tenham dúvidas disso. Não é justo que as frutinhas estejam sempre no centro de mesa das atenções. Por que razão a abóbora não pode ter glamour? E a cebola não pode ser gastro-orgásmica? Só de pensar nisto vêm-me lágrimas aos molhos. Vivemos num mundo cruel e destemperado - pretensioso. Alho francês? Estão a ouvir? Francês? Que mania é esta que lá por ser estrangeiro é melhor – italians vegetables do it better? Não me parece. Somos realmente nabos, nabiças – noviços de uma religião frutada. Venha de lá esse caldo verde.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:24

Cartaz PS.jpg

 

Para além da crise económica e social que assola Portugal, agora temos de lidar com a intensa crise de cartazes da campanha eleitoral do Partido Socialista (PS). Lá para os lados do Largo do Rato existe mesmo um défice de soluções. É caso para dizer: "até eu faria melhor", e, na senda dessa ideia, talvez não fosse mal pensado os alegados profissionais de comunicação e marketing políticos instalarem ardósias, para que cada cidadão pudesse inventar o seu chavão de agravo, partilhar a sua consternação, chamar nomes aos que estão no governo, e com um mata-borrão apagar a memória de outros mandatos que tiveram desfecho em Évora. Isso sim seria a plena expressão de democracia participativa. Iria mais longe até. O cartaz e slogan mais criativos teriam direito a prémio de consternação: um lugar na lista eleitoral ou um posição numa empresa pública. O giz poderia ser distribuído gratuitamente com o patrocínio de um grupo económico qualquer ou uma ex-instituição financeira da praça. Acho muito bem que os discípulos de Seguro exerçam pressão sobre o chefe socialista. Afinal mandaram o Seguro às urtigas, mas não me recordo de algo tão sórdido quanto isto no reinado do Tozé. Contudo, existe uma outra possibilidade. O responsável pela comunicação política do PS ser um agente-duplo, uma toupeira plantada na estrutura partidária para arruinar os planos de Costa e companhia. Tudo é possível na política, não se esqueçam disso. Embora estejamos de vento em popa na silly season, o que vemos escrito em tamanho garrafal nesses cartazes infames, tem mais a ver com silly reasons. Ou seja, veneno destilado e cuspido da boca para fora, sem que houvesse um tempero de reflexão, a análise profunda que os slogans políticos exigem ainda antes de serem rejeitados. No PS sente-se essa vontade de partir a loiça toda, mas falta a tranquilidade e o bom-senso para pensar além-dor, para além do rigor de um inverno que foi imposto a Portugal, mas que não caiu de pára-quedas, assim sem mais nem menos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:09

Marques Mendes, o BES, o bom e o mau

por John Wolf, em 03.08.14

Afinal o que é Marques Mendes? Marques Mendes Bom ou Marques Mendes Mau? O que julga este porta-voz do Banco Espírito Santo (BES)? Que assim, sem mais nem menos, se agita uma varinha Moulinex e o BES fica um mimo? Frase ganhadora do prémio silly season: "Tudo o que é lixo estará de fora bem como todos os esqueletos" sem comentários.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:14

There's no business like show business

por João Quaresma, em 04.07.12

O Euro 2012 acabou, a época de incêndios ainda não pegou e ainda é cedo para o arranque oficial da silly season. Mas a distracção tem de continuar e, mal se ouviu o apito final de Pedro Proença em Kiev, logo estreou uma nova novela protagonizada pelo mal-amado Miguel Relvas, hoje reforçada com o folhetim do bem-amado Macário Correia. O povo quer ver ficção ciêntífica com políticos na cadeia, mas se o reality show os mostrar a fingir que estão a ter problemas com a "Justiça" ou em maus lençóis já é bom. Até ao fim do mês, altura em que as forças vivas da República se exilam no reino dos Allgarves (onde os espera um espectáculo automobilístico memorável na EN 125), poderemos esperar mais alguns casos obviamente escandalizantes, gritantes e fascinantes que irão encher os noticiários e debates televisivos, os jornais e a blogosfera. Aquilo de que estamos a ser distraídos virá visitar-nos mais tarde.

O marketing comanda a vida e sempre que o homem marketeia o mundo pula e avança. Façam o favor de ser felizes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:30

Sabe tão bem pagar impostos

por Samuel de Paiva Pires, em 06.08.10

Mais de 100 reclusos do Estabelecimento Prisional de Sintra reclamam há quatro dias melhor comida e acesso à Playstation 2

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:23

Já começou a silly season?

por Samuel de Paiva Pires, em 09.07.09

 

(imagem "roubada" ao Kaos)

 

Não, não é a palhaçada em que se tornou o sistema de ensino português cada vez mais facilitista e orientado para as estatísticas propagandísticas que tem culpa dos resultados nos exames nacionais, é mesmo a comunicação social:

 

Foi a primeira surpresa do dia em que foram conhecidos os resultados dos exames nacionais do Secundário. “Menos investimento, menos trabalho e menos estudo” do lado dos alunos, comentou a ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, a propósito dos resultados no exame de Matemática A, realizado por 38.303 estudantes.

A média dos alunos internos (os que frequentam as aulas todo o ano lectivo, que são a maioria) desceu de 14 para 11,7 e a percentagem de retenções mais do que duplicou (de sete para 15 por cento), o que, segundo a ministra, se deve à difusão, pela comunicação social, “da ideia de que os exames eram fáceis”.

Em conferência de imprensa, o secretário de Estado Valter Lemos alargou o leque de responsáveis, juntando a Sociedade Portuguesa de Matemática e “partidos e pessoas com responsabilidades políticas”. “É um desincentivo ao estudo e ao trabalho”, sublinhou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:45






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas