Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"A Universidade Lusíada - Norte (Porto) está a aceitar submissões de propostas para apresentações no Congresso de Relações Internacionais 2018. Este congresso de dois dias é dedicado ao tema geral ‘Transformações Globais e Regionais de Poder nas Relações Internacionais’, e espera congregar estudiosos das Relações Internacionais com o propósito de debater as grandes alterações no equilíbrio de poderes que estão a ocorrer na ordem internacional contemporânea, bem como as suas futuras implicações."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:24

Contagem Descrente para o que não chegamos a pensar

por Nuno Castelo-Branco, em 09.12.13

 

 

"A urna é o destino. A urna deitada, do convívio final de um velório, escolhida horas antes por carpideiras, pode acumular pó, conter-se, guardar as cinzas, mas nunca estará fora de moda, a cor de pérola do interior do caixão. Estas caixas não mudaram o mundo, e podem ser empilhadas num mausoléu, a casa sem vista. A moradia sem vista para o rio, para a montanha, para o monte de vizinhos levados pela doença súbita. É uma casa sem janelas. Não é uma vivenda.

É uma casa que não respira, mas sincera, parecida com os inquilinos, perecida. É uma casa igual às demais. Um mesmo volume que se levantou do chão com a ajuda do mesmo cordel que a fez descer sete palmos. O espírito santo esqueceu-se de desatar os nós, e é com isso que nos ocupamos quotidianamente. O fio condutor da via, uma novela. O santo esqueceu-se de quase tudo e não é o autor do homem, não escreveu num livro sábio. A magna lista de expectativas e dissabores. E quando tombam os homens, um a um, ou todos menos um, o luto desvanece-se em três dias. Passa num instante, a anuência, o pêsame solitário de uma parte de um mosqueteiro. Um por todos e não o inverso."

 

São momentos do quotidiano. Desfeitos os meandros que despoletam os acontecimentos destinados ao previsível e natural esquecimento numa sociedade em que tudo consideramos adquirido e banal, deparamos então com as múltiplas e complexas situações ou processos antecedendo a apresentação de uma obra, seja esta a máquina que nos oferece a ilusória promessa da perfeição que acicata o hedonismo, ou de um concerto cuja compexidade na organização é de todo desconhecida pelos espectadores, ou pior ainda, insolentemente por nós atirada para o monturo do acessório sem interesse.

 

Em cada um dos contos, uma infinidade de possibilidades de evolução do mesmo. Nm sempre deixamos a tentação de a partir de um complemento, imaginarmos uma direcção diferente que mercê dessa única perspectiva, seria passível de nos conduzir a uma história bem diversa. Personagens sem nome e que todos já vimos repetidas vezes nas mais diversas situações, surgindo como células de um organismo aparentemente coerente quando visto no todo - a plateia, a sala cheia, o consultório -, mas na verdade disfuncional quando dissecadas as componentes da multidão espessa, fuliginosa. Nas estórias dentro da história, enredos conducentes a camilianos imbróglios onde a grandeza fugaz e a tacacanhez normativa mutuamente se pontapeiam, desde já se conhecendo a quem caberão os nunca reconhecidos louros. É mesmo a vida, naquela marginalidade comezinha que ignoramos e que estranhamente torna o normal, surreal. Umas tantas passagens a obrigarem-nos a olhar para o casal de cabeças que Magritte ocultou com um fantasmagórico pano cru, para logo surgir A Torre Vermelha ao fundo de uma escura perspectiva das grandezas que Chirico preferia.

 

É um livro de complexos cenários dos nossos dias, de situações do absurdo em que a dor do outro, é tão só a base de sobrevivência de quem dela depende para exercício do seu mister, também surgindo o suspeitado vulto espectral da inveja, o inimigo querido e bastas vezes imaginado como inevitável, mesmo que de nós nem sequer conheça o nome ou a identificação física.

 

Uma obra de John Wolf para irmos lendo sem a ordem imposta pela formal paginação, possibilitando a articulação teatral das cenas e de pensamentos ocultos,  agora demasiadamente evidentes. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:45

Que Minerva nos acuda!

por Pedro Quartin Graça, em 18.04.12

"Minerva era filha de Júpiter, após este engolir a deusa Métis (Prudência). Deusa da sabedoria, das artes e da estratégia de guerra, Minerva era para os ateanienses a deusa da excelência, da misericórdia e da pátria."

Todas estas palavras para, como introito, revelar que foi preciso engolir em seco para que Maria (nome da explorada mãe) pagasse 750 Euros!!! (verba real) que a Fundação Minerva, detentora da Universidade Lusíada, lhe cobrou pela simples emissão, destinada ao seu filho, de um conjunto de conteúdos programáticos referentes a 30 disciplinas de um curso superior que administra, à modica quantia de 25 euros por disciplina! Num País em profunda crise, a Universidade Lusíada tem o descaramento, o termo é esse mesmo, de exigir quase 2 salários mínimos por um conjunto de fotocópias sem valor acrescentado que não seja o carimbo da sobredita universidade nelas aposto. Diga-se que, meses atrás, a referida escola cobrava 3 euros por cada conteúdo programático de uma disciplina. Agora cobra 25. Um "pequeno aumento", perfeitamente legal como é evidente, em tempos de carestia...Mas haverá "moral" em tudo isto?

A propósito deste episódio vem-nos à memória um pensamento, profundo, que nos foi transmitido noutra sede. Era qualquer coisa como isto: se um aluno se encontra a estudar no ensino superior privado é porque os pais são "ricos" e, portanto, podem pagar...

Já nos esqueceramos desta lapidar frase que ouvimos da boca de uma insuspeita jovem e que foi, seguramente, a fonte inspiradora da política seguida pela sobredita universidade. A verdade é que estamos sempre a aprender acerca da forma como se "ganha" dinheiro em Portugal. Santa misericórdia!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:34






Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas