Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mobília de Praxe

por John Wolf, em 25.04.14

Gostaria de saber se a estupidez é um exclusivo de universitários broncos? Sim, existe relação entre o mar e a terra. Existe uma ligação entre o que aconteceu no Meco e o que aconteceu junto ao novo muro de lamentações, perdão... "peça de mobiliário urbano" - chama-se atraso mental. Resta-nos aguardar por mais idiotices de proto-doutores. Uma nova praxe da morte que seja realmente original. Em Braga já se serviram do Parkour para demonstrar o seu grau de inteligência. A justiça portuguesa, que deixa tudo a meio, ou solta os bandidos, de nada serve nestes casos. Nunca chega ao fim de nada. Eterniza a ideia de impunidade. Não fecha capítulos de livros intermináveis. Agora sei para que fizeram o 25 de Abril. Para dar largas à imaginação destrutiva de alguns cidadãos. Para permitir que algumas batatas podres ponham em causa os fundamentos de um país inteiro. O futuro está bem entregue a estes filhos da nação. 

publicado às 07:06

Não têm mais nada com que se entreter?

por Samuel de Paiva Pires, em 16.12.08

A Universidade de Coimbra (UC) lançou hoje um CD-Rom interactivo que visa ajudar os estudantes a lidar com o stresse dos exames, a aumentar a eficiência do estudo e a serem mais bem-sucedidos na vida académica.

 

E que tal se deixassem os estudantes em paz? Eu pelo menos falo por mim que acho essas coisas de apoio, auto-ajuda e por vezes até de acompanhamento psicológico um bocado síndrome de gente mimada, com pouca coisa com que se preocupar ou com muito dinheiro para gastar nessas patetices.

 

Mas adiante, mais importante do que isso,  acho que num espectro nacional e indo de encontro a um dos comentários à notícia acima no site do Público, que tal criar um CD-Rom para ensinar muitos dos professores universitários do país a dar aulas decentes e úteis, a ter critérios de avaliação e correcção coerentes e a serem realmente académicos, no verdadeiro sentido da palavra?

publicado às 01:41

Subscrevo grande parte do que Manuel Caldeira Cabral aqui escreve, especialmente algo que eu já desde há algum tempo a esta parte venho dizendo, que o ensino superior em Portugal é uma continuação do ensino secundário para a esmagadora maioria dos jovens. Infelizmente.

 

Só por duas vezes na minha vida senti que estava realmente numa universidade, daquele género de sensação que se tem ao ver os filmes norte-americanos em que os jovens abandonam a casa dos pais para se tornarem independentes pela primeira vez, com bolsas de estudo, part-times, repúblicas, apartamentos partilhados e quartos alugados, as festas claro, bibliotecas e investigação, muita investigação como gosto pelo saber e conhecimento, que é o que nos vai faltando cada vez mais.

 

A primeira vez foi quando entrei para o Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas e ali não conhecia ninguém, sentimento que se desvaneceu rapidamente numa faculdade que mais parece uma aldeia, em todos os sentidos, positivos e negativos, de resto, como o próprio país. A segunda vez foi aquando da realização do intercâmbio que me levou durante um semestre para a Universidade de Brasília, a melhor universidade de Relações Internacionais da América Latina, composta por brasileiros das mais diversas regiões e latino-americanos dos vários países circundantes, onde a investigação e criatividade perpassa toda o vector da educação e das aulas.

 

De resto, cá continuamos no prolongamento do secundário cada vez mais secundarizado e estandardizado com a lógica da bolonhesa.

publicado às 01:24






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas