Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Boom e o Syrian Boy Festival

por John Wolf, em 19.08.16

IU6A8518_DxO-2.jpg

 

Não é forçoso ler Leszek Kolakowski, e a sua obra-prima Modernity on Endless Trial (The University of Chicago Press, 1990), para descortinar as implicações suicidárias da nossa civilização e o falso mito de universalismo cultural. A praga de festivais que parece ter assolado Portugal faz parte da enganosa premissa de que é possível reclamar uma quota de misticismo existencial, derramar uma boa parte dos problemas de consciência e seguir alegre e contente. O Festival Boom, vendido como templo sagrado da neutralidade materialista, é tudo menos isso. Obedece a um plano comercial, segue um modelo de negócio e concede ganhos aos promotores. Tudo o resto são balelas de um mundo justamente repartido, flashes de um Woodstock fora do seu prazo de validade e promessas de nirvana fast-food. Gilles Lipovetzky e Jean Serroy denunciam no seu livro Capitalismo Estético na Era da Globalização (Editions Gallimard, 2013) a febre da hibridização, a conveniência comercial de uma hydra que combina alegados vestígios de grandeza cultural e democraticidade. Os três ou quatro dias de festival servem contudo um propósito peregrino. Nesses dias de embriaguez, o espírito humano, dizem eles, liberta-se das manchas de culpa, da pressão diária do desligamento das causas maiores e evita-se deste modo o entorpecimento insensível. A passagem por ritos de vazio concede aos participantes uma espécie de certidão, uma prova de vida de que é possível "encontrar o eu" no acampamento, na fila para o "novo" Reiki-electrónico, no repasto à base de pasta do Tibete - a cura filosófica. E persistem ainda outras considerações de ordem mercantil. Na Wall Street dos festivais os ratings parecem contar. Sabemos que o Festival Boom é melhor do que o Festival Bum, sabemos que o Andanças era quase ecológico até aquele fatídico dia rodoviário. Enfim, os organizadores querem e não querem. Querem ser pequenos e familiares, mas o piquenique saiu fora de mão - apareceram 30 mil almas. Mas eu iria mais longe para purgar os diabos que andam à solta. Para arrumar de vez com os dilemas conceptuais; eu proponho um Syrian Boy Festival enquanto durar a situação naquele país. Ou então, façam-se à festa e depois regressem às vidinhas da treta. De qualquer modo estamos condenados. O mundo está cheio de vendedores de grandiosas intenções. Mostrem-me os números. Qual a margem? Quero ver os lucros? E já agora, a tenda de massagens "chinatsu" passa facturas? No entanto, nada disto parece importar. Estes eventos servem sobretudo a fraca intelectualidade que parece ser a norma da nossa civilização. Convém entorpecer a geração que deveria ter algo a dizer em relação ao destino das nossas civilizações. Em vez disso curam a ressaca e regressam a casa. Não vejo luz ao fundo do túnel. É outra coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:06

O congresso do PS ou como pensar pequeno

por John Wolf, em 01.12.14

think_small

 

O congresso do Partido Socialista (PS) confirma o que nós já sabíamos, e o que certamente transcende aquela unidade política. Os lideres não estão à altura dos desafios que enfrentamos. Este fim de semana fomos agraciados com prestações de nível intelectual medíocre. O que está em causa é muito maior do que saneamentos internos, escândalos socráticos, viragens à Esquerda, rejeições da alianças ou maiorias absolutas. O que está em causa é areia demais para a camioneta destes protagonistas. Ou seja, a capacidade de pensar um modelo societário profundamente diferente daquele que nos conduziu ao descalabro. António Costa, Ferro Rodrigues, e os outros recrutas, simplesmente não têm a visão e a cultura para repensar a sua condição. O congresso do PS eterniza os mesmos vícios que definem a política. Os arranjos internos são mais importantes do que uma abordagem integrativa de soluções trans-políticas, para além da ideologia. Por outras palavras, a fonte da ideologia já não serve de um modo pertinente para encher as medidas das pessoas carentes de soluções "civis" - respostas económicas e sociais desprovidas de assinatura programática ou ideológica. Pelo que escutamos ontem, podemos afirmar que o PS deseja (mais uma vez) reclamar o estatuto de fundamentalista da verdade política. Os socialistas não conseguem esconder o vazio que permeia o seu espírito. Servem-se da mesma cartilha para enfrentar um mundo radicalmente diferente. São vítimas dos mesmíssimos paternalismos que enfermam os seus processos de pensamento. Definitivamente, a filosofia e a política estão divorciadas. De nada serve o lirismo bacoco de Alegre ou o apelo ao rasgo visceral da violência doméstica. A política, quando é eticamente movida, parte de uma base racional, metódica e autocrítica. Quando as emoções se tornam arma de arremesso sabemos que pouco ou nada resta. A agremiação deste fim de semana foi um mero exercício de austeridade de pensamento, ou simplesmente, um caso de pequenez.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:57






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds