Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Viva o Solcialismo!

por John Wolf, em 03.05.16

sun-heats-earth-on-one-hemisphere-only.jpg

 

Portugal é filho do vento e do sol. Devemos congratular aqueles que acreditaram na visão. As energias renováveis serão porventura o melhor exemplo do que é possível alcançar neste país, mitigando os efeitos nefastos da política de interesses parcelares, da corrupção e de outras patologias colectivas. A ver vamos quais serão os políticos a querer reclamar o prémio. Bravo, empreendedores. Bravo, investidores. Bravo, iniciativa privada. Viva o solcialismo!

publicado às 09:28


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Luiz a 04.05.2016 às 02:14

Excuse me Sir for asking, mas o que é que o senhor bebeu antes de escrever o post? As chamadas energias renováveis, com a eólica à frente, são uma das duas principais causas (sendo a outra a privatização da EDP) dos preços exorbitantes da electricidade em Portugal. O processo dos 5000 MW de eólica foi iniciado pelo secretário de estado ou ministro, já não me lembro, do ambiente do Eng. Guterres em 2001, ministro que se notabilizou pelos seus feitos posteriores que lhe valeram uma estadia em Évora, sob os auspícios da mafia da apre! Muito gozam os Pimentas e Sás com os tansos que vão nas cantigas do vento e do Sol. Dá dó ver pessoas inteligentes a embarcar nas patranhas daqueles mânfios.
Como pista, uma torre eólica tem um elevado conteúdo energético que necessita de ser renovado depois de 25 anos: o combustível bem pode ser gratuito mas o gerador é extremamente ineficiente! Gás natural é melhor opção.
Cumprimentos
Sem imagem de perfil

De alves a 05.05.2016 às 18:54

Bem dito! mas parece que novos ventos se levantam a favor de mais "renovável"... é a vida...

Comentar post







Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas